Governo italiano quer ajudar Fiat a se manter no país

O governo italiano disse neste sábado que está tentando ajudar a montadora Fiat a melhorar sua competitividade nas exportações de carros fora da Europa após a montadora ter se comprometido a continuar no país.

PATRÍCIA BRAGA, Agencia Estado

22 de setembro de 2012 | 18h48

Em comunicado emitido depois da reunião entre o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, e o executivo-chefe da Fiat, Sergio Marchionne, em Roma, o governo disse que montará um grupo para trabalhar no assunto.

No comunicado, o governo e a Fiat afirmam terem "concordado em trabalhar em conjunto nas próximas semanas para identificar as necessidades de condições para fortalecer a competitividade da empresa".

"A Fiat pretende reorientar seu modelo de negócios na Itália privilegiando as exportações de automóveis, em particular para fora da Europa." Os executivos deixaram claro seu compromisso de manter o grupo industrial presente na Itália.

O governo também afirmou que a Fiat planeja investir no desenvolvimento de novos modelos para se preparar para uma recuperação no mercado europeu.

Monti solicitou a reunião com os executivos da Fiat após o aumento no número de líderes políticos e trabalhistas pedindo para a empresa esclarecer suas intenções com relação ao país, principalmente depois de a Fiat ter fragmentado seus planos de investir bilhões de euros para dobrar a produção de carros em suas fábricas. As montadoras por trás da Fiat, Lancia e Alfa Romeo, culparam a crise europeia pela queda nas vendas na Itália e em outras partes da Europa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaFiatcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.