Governo japonês alerta para risco de queda da economia

O gabinete de governo do Japão afirmou, em relatório divulgado hoje, que a economia do país "deve continuar a se levantar", mas alertou para "riscos de declínio". A avaliação é semelhante à feita na semana passada pelo Banco do Japão (BOJ, banco central do país), que citou os problemas da dívida soberana da Europa como principal fator de risco.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

24 de novembro de 2011 | 09h07

Entre os maiores riscos citados no relatório de hoje estão a "desaceleração adicional das economias menos resistentes no exterior, flutuações voláteis nas taxas de câmbio e nos preços das ações devido à crise da dívida da zona do euro e a inundação na Tailândia".

Até setembro, o impacto da crise da dívida foi sentido apenas indiretamente, como pela rápida apreciação do iene (moeda do Japão) contra o euro e o dólar. Agora, a crise está afetando mais diretamente a economia, como se viu na queda anualizada de 5% nas exportações de outubro, uma vez que as exportações para a Europa despencaram.

Somando-se aos prejuízos está a enchente na Tailândia, que interrompeu os canais de suprimento de muitas montadoras e indústrias eletrônicas japonesas e suspendeu as exportações de peças do Japão para o resto da Ásia. "A crise da enchente vai produzir um impacto mais visível sobre a economia a partir de novembro", alertou Shigeru Sugihara, diretor de análise macroeconômica do Gabinete.

Embora a avaliação tenha se mantido inalterada para a maioria das subcategorias, da produção aos níveis de emprego e consumo, a visão dos níveis de preço foi rebaixada. "A economia japonesa está em uma fase deflacionária suave", diz o relatório. "Embora a economia esteja em um caminho de recuperação, ainda há uma lacuna significativa na utilização de matérias-primas e isso está colocando pressão de baixa sobre os níveis de preços". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoeconomiarelatóriogoverno0

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.