Governo libera verba para rodovia Cuiabá-Santarém

O ministro dos Transportes, João Henrique Almeida, anunciou a liberação de verbas para a execução de novas obras na rodovia BR-163, que liga Cuiabá a Santarém, e representa antiga reivindicação dos produtores de soja de Mato Grosso. A rodovia servirá como corredor para o escoamento de soja ao porto de Santarém, no rio Amazonas, bem como para a interiorização de insumos para as lavouras do cerrado mato-grossense. O ministro fez o anúncio em audiência com o vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Carlos Fernandes Xavier.De acordo com o ministro, serão licitadas as obras para a construção de 48 pontes entre os quilômetros 30 e 230 da BR-163, entre o município de Itaituba e a divisa entre os Estados do Pará e Mato Grosso. Estaria programada a liberação, ainda em outubro de R$ 1,1 milhão ao Batalhão de Engenharia e Construção (BEC) do Exército, responsável pela pavimentação da rodovia, para conservação do trecho entre Rurópolis e Santarém. Serão liberados ainda, segundo o ministro, R$ 15 milhões para obras de asfaltamento do trecho paraense da estrada.Xavier, que preside a Federação da Agricultura do Pará (Faepa), lembrou que a BR-163 é uma das prioridades nos eixos de desenvolvimento traçados pelo governo federal e diz respeito aos interesses de milhares de produtores rurais da região.As verbas anunciadas estão longe do montante necessário para a conclusão da rodovia. Segundo a CNA, 997 quilômetros ainda estão sem asfalto, no território do Pará, e a conclusão da rodovia necessitaria R$ 450 milhões. O asfaltamento completo da BR-163 representaria economia de US$ 18 por tonelada de soja destinada à exportação.A distância entre o cerrado de Mato Grosso e o porto de Roterdã, na Holanda, seria encurtada em 5,2 mil quilômetros. De acordo com a CNA, se a rodovia estivesse pronta hoje o produtor de soja teria um ganho de R$ 4,00 por saca de soja com a redução da distância entre a lavoura e o ponto de embarque para exportação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.