Governo maneja tarifa de Itaipu e evita aumento

O governo deverá mais uma vez manejar as tarifas da usina de Itaipu para evitar grandes reajustes de energia ao consumidor em 2004. Segundo informações da empresa divulgadas hoje, não haverá reajuste no preço em dólar que a empresa cobra das distribuidoras do Sul Sudeste e Centro-Oeste, para as quais fornece eletricidade. Segundo a Diretora Financeira Executiva da empresa, Gleisi Hoffmann, em 2004 continuarão sendo cobrados os mesmos US$ 17,55 por kW vigentes desde outubro de 2002. Ela garante que o congelamento da tarifa por mais doze meses não trará perdas para a empresa, e está sendo compensado com um ajuste nas despesas administrativas. Com o congelamento, o governo deverá obter uma folga nos reajustes de tarifas ao consumidor em 2004, que serão impactados com a aplicação de reajustes suspensos em 2003. Como o dólar subiu muito em 2002, as distribuidoras acumularam perdas com a energia "importada" de Itaipu, e pelos contratos teriam direito à reposição dessa perda na data de seus reajustes anuais ou em suas revisões periódicas de tarifas. Para evitar que essa parcela das tarifas (Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A- CVA) aumentasse ainda mais a inflação, o governo protelou por um ano o repasse e comprometeu-se a dar um financiamento compensatório para as distribuidoras. Como o dólar caiu ao longo de 2003, o custo em reais das distribuidoras com a energia de Itaipu terá uma queda, o que pode levar a CVA a ficar negativa em muitos casos. Isso reduzirá o saldo a ser repassado ao consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.