Governo mantém projeção de superávit comercial em 2008

Para ministro do Desenvolvimento, não há motivo para rever projeção de US$ 35 bilhões da balança no ano

Rodrigo Petry, Agência Estado

11 de março de 2008 | 11h28

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse nesta terça-feira, 11, que o desempenho negativo da balança comercial na primeira semana de março, de US$ 159 milhões, que resultou no acumulado do ano em um saldo 70,4% menor que o mesmo período do ano passado, não vai provocar a revisão da projeção de US$ 35 bilhões do superávit da balança em 2008.     Veja também:  Balança comercial tem déficit pela 3ª semana seguida "Não vamos fazer planos em cima de meses atípicos que não são considerados ideais para fazer projeções. O ano inteiro é que nos importa e não adianta avaliar apenas o início de 2008", disse Jorge durante solenidade em São Paulo, para assinatura de um convênio de incentivo às exortações da cadeia de plástico.Jorge argumenta que o saldo não vem obtendo um resultado próximo ao registrado em 2007 em função do aumento das importações de petróleo, ao mesmo tempo em que as exportações do produto também estão menores. Além disso, o ministro ressalta que o aumento das importações de trigo também prejudicaram o desempenho da balança.Ele afirma, porém que a deterioração do saldo da balança comercial será compensado pela maior produtividade que as importações de bens de capital, equipamentos e matérias primas proporcionarão. "As importações terão um efeito positivo na economia. A perda de US$ 5 bilhões que nós projetamos para este ano será compensada pela maior produtividade que elas trarão ao Brasil", declarou após ser questionado sobre o aumento acumulado no ano de 51,1% das compras externas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.