Estadão
Estadão

Governo marca reunião com Petrobrás para rever preço de combustível

Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas e Energia, Moreira Franco, encontrarão o presidente da Petrobrás, Pedro Parente; Temer demonstrou preocupação com frequente aumento nos preços de combustível

Eduardo Rodrigues, Julia Lindner e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2018 | 19h00

BRASÍLIA-  Sem uma solução para o impasse relacionado às sucessivas altas no preço dos combustíveis, o governo fará uma nova rodada de reuniões nesta terça-feira, 22, sobre a questão. A primeira delas será pela manhã, no Ministério da Fazenda, onde o ministro Eduardo Guardia receberá o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, e o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco.

+ Governo estuda dar mais previsibilidade a reajustes do diesel para acalmar caminhoneiros

O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) antecipou que o presidente Michel Temer quer rever a situação da alta nos combustíveis para que o preço seja "previsível" para os consumidores. Segundo ele, o presidente "gostaria de ver isso resolvido da forma mais palatável" para o cidadão e com rapidez. 

+ Preços médios da gasolina e do diesel sobem mais uma vez a partir de amanhã

"O presidente manifestou interesse em rever a situação para que o preço seja previsível para os caminhoneiros", disse Padilha. Ele minimizou a alta e disse que com o dólar subindo e o petróleo subindo internacionalmente, era "certo" que haveria variação no combustível no Brasil. "Vamos ver se encontramos um ponto em que possamos ter mais controle."

+ Sindicato aprova greve de petroleiros contra alta dos combustíveis

Padilha defendeu que é importante que os caminhoneiros, que realizam protestos hoje em todo o País, possam trabalhar com previsibilidade. "Vamos ter algo a dizer para os caminhoneiros sem dúvida nenhuma", garantiu Padilha. Ele ponderou que o governo não deve ser posicionar sobre o tema ainda nesta segunda-feira, 21.

 

 
Mais conteúdo sobre:
PetrobrásGasolina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.