Governo muda projeção e agora fala em déficit comercial em 2014

Resultado tradicionalmente positivo de dezembro não será suficiente para reverter o déficit de US$ 4,2 bilhões acumulado até novembro; futuro ministro diz, no entanto, que quadro não é 'assustador'

Agência Estado

01 Dezembro 2014 | 17h42

O governo não trabalha mais com a perspectiva de superávit na balança comercial em 2014. Mesmo que dezembro seja positivo, não será suficiente para transformar o resultado em superávit, admitiu nesta segunda-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Apesar da mudança na projeção, a pasta não divulgou o tamanho do déficit previsto.

No ano até novembro, a balança comercial acumula resultado negativo de US$ 4,2 bilhões - cifra que foi minimizada pelo futuro ministro do MDIC, Armando Monteiro. "Nós temos uma situação que não chega a configurar no que diz respeito à balança comercial um déficit assustador. Não é esse o quadro", comentou.

"O que nos preocupa é a queda do desempenho das exportações de manufaturados, é algo muito significativo, 10% de queda, é evidente que isso se deveu a alguns fatores, o mercado argentino que sofreu uma grande retração e esse maior acirramento da competição na área de manufaturados pelo menor crescimento do comércio internacional. Mas aí é que precisamos estar atentos para melhorar a competitividade da indústria, senão não recuperaremos espaço no comércio internacional", ressaltou.

Segundo o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação do MDIC, Roberto Dantas, embora dezembro seja tradicionalmente superavitário, ainda assim o número não deverá superar o déficit acumulado do ano. "Houve essa mudança nas expectativas", observou Dantas sobre a perspectiva de déficit comercial no ano. 

Dantas explicou que fatores que poderiam ter ajudado na manutenção de um superávit não se realizaram, como a recuperação do preço do minério de ferro. Dantas ainda destacou que houve redução nas exportações de carne em novembro, o que afetou o desempenho. 

"Teve queda de exportações para Venezuela de carne bovina e de frango; para a Arábia Saudita, de frango", justificou. "Houve queda de 10% em volume de carne. Isso afetou o desempenho de novembro", frisou. 

Déficit 'marginal'. Dantas também relativizou o déficit acumulado até novembro. Segundo ele, é um déficit “marginal” porque representa apenas 2% das exportações no período. “É importante relativarmos o déficit em relação ao que ocorreu em relação a outros anos”, disse.

Dantas comparou com os dados de 1998, até então o pior resultado da balança para os 11 meses do ano. Em 1998, o déficit da balança foi de US$ 6,1 bilhões, 13% do volume exportado de janeiro a novembro daquele ano. 

“O déficit desse ano é seis vezes menor, em termos relativos, do que o déficit computado em 98”, comparou. “Em termos de magnitude, o déficit de 1998 foi mais importante do que o de agora”, continuou. 

(Reportagem de Victor Martins, Renata Veríssimo, Laís Alegretti, Rafael Moraes Moura e Ricardo Della Coletta) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.