Governo não desiste de privatizar Copel

A privatização da Companhia Paranaense de Energia (Copel) ainda faz parte dos planos do governo estadual. Um dia após o secretário da Fazenda, Ingo Hubert, que acumula o cargo de presidente da estatal, informar à imprensa que a privatização não seria importante, o Palácio Iguaçu, sede do governo, divulgou nota oficial assinada pelo próprio secretário, negando as afirmações. Desde o ano passado, a venda da empresa se transformou em uma das principais lutas do governo paranaense.Alegando falta de caixa para o setor de previdência e recursos para novos investimentos, o dinheiro da privatização poderia sanear as finanças, na avaliação governista. Esse total seria de R$ 4,3 bilhões, considerado o preço mínimo para venda. A votação do projeto que autorizava a venda da Copel, mobilizou a população, que invadiu as galerias da Assembléia Legislativa na semana da decisão, no segundo semestre.Derrotada pelo voto dos deputados ligados ao governo, a oposição conseguiu barrar a privatização no dia do leilão, através de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça, onde está parado o processo. Entre outras negativas, a nota oficial afirma que "é inverídica a afirmação de que o Governo do Paraná desistiu de privatizar a Copel. Como já deixou claro o governador Jaime Lerner, o processo continua em andamento, no aguardo de circunstâncias propícias". O governo do Estado tenta derrubar a decisão da Justiça para prosseguir com a venda da estatal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.