Governo não desistiu de tributar poupança, diz Appy

'Não está tendo migração. O pessoal dos fundos de investimento até o momento está tranquilo', afirmou

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

18 de junho de 2009 | 18h53

O secretário extraordinário de reformas econômico-fiscais, Bernard Appy, afirmou à Agência Estado que, mesmo com a queda da taxa Selic para um dígito, ainda não há migração dos depósitos em fundos de investimento para a poupança. "Não está tendo migração. O pessoal dos fundos de investimento até o momento está tranquilo", disse.

 

Veja também:

especial Confira o impacto da tributação sobre os rendimentos da poupança

especial Entenda a tributação sobre os rendimentos da poupança

especial Entenda o que está por trás das mudanças na poupança

 

Ele garantiu que o governo continua monitorando e, havendo necessidade, os fundos terão desoneração tributária para ganharem competitividade. "O governo está monitorando. Se houver necessidade, o governo vai tomar medidas", afirmou.

 

Appy informou também que o governo não desistiu de taxar os rendimentos da poupança nas aplicações acima de R$ 50 mil, a partir 2010. Segundo ele, o momento de encaminhar o projeto de lei ao Congresso é uma decisão política. O secretário disse que o governo continua trabalhando com o cenário divulgado em maio durante o anúncio da medida. "O modelo que a gente propôs para a poupança cria condições para baixar os juros (Selic) até 7% sem gerar grandes distorções no sistema financeiro. Abaixo de 7%, a gente precisa pensar em outro modelo", explicou.

 

Para o secretário, não é apenas o rendimento que pesa na decisão do investidor ao escolher a modalidade de aplicação. "Tem outras questões. Os fundos têm a conveniência de sacar qualquer dia, que a rentabilidade é preservada. Na poupança, se o saque ocorre um dia antes do aniversário, perde todo o rendimento do mês", destacou. "Tem que pesar os pós e os contras".

 

Appy acredita que neste momento não há uma diferença brutal na rentabilidade entre os fundos de investimento e a poupança. "Com juros muito mais baixos, esta diferença pode ficar mais importante". O secretário disse que os fundos de investimento com taxas de administração acima de 2% já tinham perdido competitividade antes. "Não tem mais quase dinheiro nesses fundos, já não tinham. Não faz sentido nenhum ter investimento com taxas muito altas com juros baixos", argumentou.

Tudo o que sabemos sobre:
poupançaBernard Appy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.