Governo não pretende socializar perda nenhuma, diz Dilma

Ministra explicou que o que o governo tem a oferecer para o setor produtivo são linhas de financiamento

Célia Froufe e Anne Warth, da Agência Estado

10 Outubro 2008 | 15h51

O governo brasileiro não tem planos de auxiliar companhias que já tenham admitido problemas financeiros em seus balanços por causa da inversão da trajetória do dólar. A negativa foi feita pela ministra chefe da Casa Civil  Dilma Rousseff, durante resposta a um questionamento da imprensa sobre se o governo pretendia ajudar empresas como Sadia, Aracruz e Votorantim. "O governo não pretende socializar perda nenhuma e nem foi procurado por nenhuma empresa para isso", disse em coletiva à imprensa brasileira e internacional que ocorreu após o Terceiro Fórum de CEOs Brasil-EUA realizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil).   Veja também: 'Da ganância chegamos ao pânico', diz Dilma sobre a crise Como o mundo reage à crise  Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil    Dilma explicou que o que o governo tem a oferecer para o setor produtivo são linhas de financiamento, portanto um crédito cujo o juro deve ser pago pelo contratante. A ministra afirmou que não há dúvidas de que a crise atual tenha um componente exógeno muito grande. "Aqui o governo tem a perfeita clareza de que uma das suas funções é assegurar e prover o crédito necessário sem comprometer as boas práticas", analisou. Ela ressaltou que caso necessitem de crédito tratam-se de empresas que têm condições de pagar seus financiamentos. "Não podemos confundir créditos podres com a situação momentânea no Brasil de (baixa) liquidez", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.