HENRY MILLEO|GAZETA DO POVO
HENRY MILLEO|GAZETA DO POVO

Governo não tem dinheiro para reassumir rodovias, diz ministro dos Transportes

Segundo Maurício Quintella Lessa, governo deve ajudar concessionárias financeiramente desequilibradas para evitar o retorno das estradas à União: 'Não temos orçamento', diz

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 13h03

BRASÍLIA - O governo precisa dar uma solução para as concessionárias de rodovia da chamada Terceira Etapa porque não tem dinheiro para reassumir os trechos concedidos, que são importantes vias de escoamento da produção nacional. Foi o que disse há pouco o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa.

+ Governo busca modelo para vender fatia em terminais concedidos

As concessionárias da Terceira Etapa estão financeiramente desequilibradas. Pelo contrato, elas precisariam duplicar os trechos recebidos em concessão num prazo de cinco anos. Mas, sem dinheiro para obras, algumas delas já estão com o cronograma atrasado e sendo punidas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). No limite, elas podem ter os contratos declarados caducos, o que implicaria na devolução das rodovias ao governo. É a caducidade que o governo quer evitar.

+ Governo fará concessão de rodovias para empresas taparem buracos

“Não temos orçamento para manter ou fazer investimentos nas rodovias concessionadas”, afirmou o ministro. “Se partirem para caducidade, teremos problemas seriíssimos.”

O governo editou uma Medida Provisória, de número 800, alongando o prazo para duplicação de cinco para até 14 anos. Sem ser votada, a MP perdeu validade no dia 26 de fevereiro. O governo decidiu, então, enviar ao Congresso Nacional um projeto de lei com o mesmo conteúdo. Porém, o texto ainda não foi finalizado porque recebeu recomendações do Ministério Público.

O MP questiona por que, ao permitir que as obras prometidas no contrato sejam realizadas num prazo maior, o governo não faz uma imediata redução das tarifas de pedágio. Pelo que estava na MP 800, essa redução só ocorreria ao final da obra. Esse dispositivo foi muito questionado na tramitação da MP no Congresso.

Outro ponto que será acrescentado ao projeto de lei é o que determina que a concessionária pode ser declarada inidônea pelo prazo de dez anos se for beneficiada pelo alongamento de prazo e, mesmo assim, não fizer os investimentos. Esse ponto foi negociado no Congresso durante as discussões da MP 800. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.