Governo nega conversa com FMI sobre superávit primário menor

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, negou hoje que o governo esteja negociando com o Fundo Monetário Internacional a redução da meta de superávit primário, atualmente em 4,25% do Produto Interno Bruto (PIB). Mantega afirmou que as metas fazem parte da Lei de Diretrizes Orçamentárias e que, portanto, não há conversas nesse sentido. O ministro participou hoje do lançamento da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo. Em relação à previsão de crescimento do PIB em 2003 de 1,46% (ante 1,50% na pesquisa anterior), do Boletim Focus divulgado hoje, Mantega disse "que o Focus está desfocado da atualidade". Segundo ele, o Boletim está captando uma tendência atrasada, porque ele reage mais lentamente às mudanças na economia. O ministro disse que as próximas pesquisas Focus projetarão taxas de crescimento um pouco maiores. Sobre a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), amanhã e quarta-feira, Mantega afirmou que eventual queda de 1,5 ponto porcentual projetada pelo mercado, que levaria a Selic de 24,5% ao ano para 23% ao ano, não é uma estimativa conservadora. Ele lembrou que já houve uma aceleração no corte de juros entre junho e julho, quando o corte passou de 0,50 ponto para 1,5 ponto porcentual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.