finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo negocia ampliação de 60 dias para pagar Simples

Mantega confirma negociação de medida, mas nega divulgação de novas ações nesta segunda-feira

Leonardo Goy, Leonencio Nossa e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

24 de novembro de 2008 | 13h57

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou nesta segunda-feira, 24, que o governo está negociando com os Estados e os municípios a prorrogação, por mais 60 dias, do pagamento do Simples. Apesar disso, ele descartou para hoje, após a reunião ministerial, o anúncio de novas medidas para combater a crise. "O governo não vai anunciar nenhum pacote. O que está sendo feito é responder a questões que se colocam", afirmou o ministro, em rápida entrevista, no intervalo da reunião, para almoço.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Segundo ele, o governo continuará tomando medidas anticíclicas para estimular o crescimento da economia. Ele citou como medidas já tomadas o estímulo ao crédito, repasse de recursos para agricultura e para o setor automotivo, liberação de compulsórios,a redução de IOF para aquisição de motos e prorrogação do pagamento de IPI, PIS e Cofins. Ele ressaltou que a política anticíclica do governo para combater os efeitos da crise será a manutenção dos programas de investimento. Segundo Mantega, o governo vai cortar gastos correntes, mas não haverá cortes de investimento em obras prioritárias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ele lembrou que, para fazer a economia de quase R$ 15 bilhões para compor o Fundo Soberano do Brasil (FSB), o governo reduziu a disponibilidade de gastos dos ministérios. "Todos os projetos na área de investimento foram mantidos", disse o ministro. Mantega explicou que fez uma exposição sobre a situação da crise internacional que, segundo o ministro, já não é mais financeira e sim econômica. Apesar dessa avaliação "crítica", segundo Mantega, o Brasil e outros países emergentes não entrarão em recessão.  Ele voltou a afirmar que o Brasil crescerá 4% em 2009 e não 6% como tinha dito anteriormente. O ministro disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ressaltou, na reunião de ministros, que muitas vezes o país é contaminado pelas notícias negativas do mercado externo, mas que o Brasil está em melhores condições do que outros países.  Ação conjunta O ministro da Fazenda disse que a "boa notícia" no mercado externo é que os países estão enfrentando a crise de forma conjunta. "Agora há uma disposição dos países em combater a retração econômica, com decisões conjuntas, diferentemente de outros momentos em que os países se fechavam em si mesmo, com medidas como o protecionismo", afirmou.  "Os países não estão querendo cometer os mesmos erros cometidos durante a crise de 1929, quando cada um foi para o seu lado, aumentando o protecionismo e se fechando em si mesmo. A crise só acabou dez anos depois, na época da Segunda Guerra. Agora os países já estão escaldados", disse. Mantega relatou que na primeira parte da reunião ministerial, o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, fez um relato sobre o encontro do G-20 (grupo dos países mais industrializados e emergentes) em Washington, na semana passada. "Precisamos de uma nova ordem econômica mundial e avançar com a rodada Doha e resolvê-la até o final do ano", defendeu Mantega.  Ele disse que o Brasil começou a sentir os efeitos da crise a partir de outubro, com a falta de crédito e o aumento do dólar. Mas que agora, em novembro, a situação começou a melhorar. "O Brasil foi pego num momento de forte dinamismo econômico",afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.