Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Governo negocia com o Congresso a extensão do Pronampe para 2021

Segundo assessor da Economia, cerca de R$ 12 bi que iriam para a linha de crédito de pagamento da folha poderão ser redirecionados para o Pronampe

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 05h00

BRASÍLIA - O governo negocia com o Congresso Nacional a extensão do programa de crédito para micro e pequenas empresas, o Pronampe, para 2021. O objetivo é transformar uma iniciativa bem-sucedida em “tempos de guerra” em uma ação perene para “tempos de paz” para garantir que os recursos continuem fluindo para essas empresas.

O assessor especial do Ministério da Economia Guilherme Afif Domingos informou ao Estadão/Broadcast que cerca de R$ 12 bilhões inicialmente programados para a linha de crédito de pagamento da folha de salários sejam redirecionados para o fundo garantidor do Pronampe ainda este ano. Com isso, o programa ganharia fôlego para continuar operando a partir do ano que vem.

As condições devem ser ajustadas para permitir que se faça mais com o mesmo dinheiro. Segundo Afif, o governo vai garantir 100% do valor de cada operação, até o limite de 30% da carteira de cada um dos agentes financeiros. Hoje, esse limite é de 85% da carteira, dado que muitas empresas em dificuldade estão buscando acesso ao crédito.

“Em tempos de paz, o risco é menor”, explicou Afif, ressaltando que mesmo em condições normais é difícil chegar a uma inadimplência de 30%.

Com a mudança, o banco poderá emprestar até três vezes mais com o mesmo recurso depositado no fundo garantidor do Pronampe, estima o governo. Além disso, para compensar o risco maior para a instituição financeira, o juro deve ser um pouco maior que os atuais Selic (hoje em 2% ao ano) mais 1,25% sobre o valor do crédito concedido.

Segundo Afif, a nova taxa ainda está em negociação, mas deve ficar entre 6% e 8% ao ano. Mesmo maior, a taxa ainda deve ser mais competitiva que o custo do crédito no mercado:“Vamos usar experiências da guerra para tempos de paz.”

As condições estão sendo negociadas com o Congresso e devem ser incluídas em uma Medida Provisória, para dar celeridade à aprovação.

Para seguir garantindo o acesso a crédito na retomada, o assessor especial ainda destacou a importância de manter a isenção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre os empréstimos, pelo menos para as pequenas e médias empresas e na linha do Pronampe. Até agora, o governo já garantiu a prorrogação dessa isenção até o fim de 2020.

“Vamos usar experiências da guerra para em tempos de paz”, disse Afif. “A cultura de fundo garantidor veio pra ficar”, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.