Bruno Rocha/FOTOARENA
Bruno Rocha/FOTOARENA

Governo pede prisão de empresários para tentar pôr fim à greve de caminhoneiros

Decreto editado pelo Planalto também permite que motoristas das Forças Armadas assumam o volante dos caminhões parados

Fernando Nakagawa, Julia Lindner, Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

26 Maio 2018 | 22h53

BRASÍLIA - Para tentar debelar a greve dos caminhoneiros, que completou ontem seis dias, o governo resolveu endurecer um pouco mais o jogo. Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a Polícia Federal já instaurou 37 inquéritos em 25 Estados para apurar a prática ilegal de locaute – quando a paralisação dos funcionários tem iniciativa ou apoio das empresas, e que os responsáveis estão sendo convocados para prestar depoimento. O ministro informou também que mandados de prisão para empresários já foram expedidos, mas disse que, por questão de segurança, não poderia informar se já tinham sido cumpridos.

+ Cade abre investigação contra associações de transporte de carga e caminhoneiros

“Temos comprovado, seguramente, que essa paralisação por caminhoneiros autônomos, em parte, teve desde seu início a promoção e o apoio criminoso de proprietários e patrões de empresas transportadoras distribuidoras e podem ter certeza que irão pagar por isso”, afirmou o ministro ontem à noite, após a segunda reunião do gabinete de crise que acompanha a greve dos caminhoneiros. “Identificamos com a maior clareza movimento criminoso de parte dos senhores proprietários donos de grandes empresas, que não permitem, não engajam, não liberam os caminhoneiros. Pelo contrário, lhes dão apoio para permanecer paralisados”, afirmou.

Para sufocar o movimento, o governo Michel Temer buscou atuar em três frentes: a Polícia Rodoviária Federal (PRF) entregará ao Ministério Público Federal relatório atualizado de todas as multas aplicadas a caminhoneiros autuados nas estradas no processo de desobstrução; o governo diz que também passou a aplicar multas de R$ 10 mil por dia para caminhoneiros e R$ 100 mil por hora para empresas que continuarem resistindo na greve; e atuação mais efetiva das Forças Armadas na liberação das rodovias, principalmente das vias consideradas fundamentais para distribuição de combustíveis e produtos essenciais, como hospitalares.

Segundo Jungmann, a Polícia Rodoviária Federal emitiu 400 autos de infração que ultrapassam R$ 2 milhões. Essas multas só dizem respeito a infrações ao Código Brasileiro de Trânsito, segundo a corporação. Não incluem as sanções permitidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou a greve ilegal.

O presidente Temer também assinou um decreto no qual permitiu ao governo assumir o controle de caminhões para desobstruir as rodovias. A medida, chamada de requisição de bens, já havia sido anunciada na sexta-feira, mas, só seria tomada se houvesse necessidade. Pelo menos 800 motoristas das classes D e E do Exército, da Marinha e da Aeronáutica estão de prontidão em todo o País para serem empregados, caso haja necessidade. Mas este é considerado um último recurso pelo governo. Esses motoristas têm habilitação para dirigir até mesmo a chamada carga sensível.

Mais conteúdo sobre:
greve locaute caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.