Governo perde num único mês R$ 6 bilhões de receita e crise fiscal se agrava

Situação é retrato de que nem o cumprimento da nova meta está garantido, tamanha a gravidade das contas públicas

O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 22h11

Mais impressionante do que o gigantesco déficit de R$ 20,15 bilhões registrado nas contas do governo federal em julho é o tamanho do buraco na arrecadação que o governo teve em apenas um mês. A frustração das receitas com impostos e contribuições previstas para entrarem nos cofres do governo alcançou R$ 6,04 bilhões.

De imediato, o desempenho abaixo do que estava programado vai consumir parte da margem de R$ 20 bilhões que o governo ganha com a alteração da meta fiscal deste ano - de um déficit de R$ 139 bilhões para R$ 129 bilhões - e que ainda está sob análise do Congresso.

É um retrato de que nem o cumprimento dessa nova meta está garantido, tamanha a gravidade das contas públicas.

O governo ainda tem que enfrentar um problema maior com a arrecadação mais baixa do Refis (programa de parcelamento de débitos tributários), que está sendo desfigurado pela Câmara.

Sem contar com qualquer eventual mudança no leilão das usinas da Cemig. O governo espera arrecadar R$ 11 bilhões com as outorgas de quatro usinas da companhia de energia mineira. Mas há um risco de não ver esse dinheiro porque o presidente Michel Temer sofre pressão da bancada mineira para suspender a operação. A pressão tem ameaçado os planos da equipe econômica.

Os dados divulgados mostraram o quanto é frágil a equação fiscal que o governo montou para mudar a meta de 2017 e 2018.

Nada pode dar errado.

O mais grave é que os números divulgados pelo Tesouro Nacional apontaram que a arrecadação do governo já não é suficiente para cobrir o valor das despesas obrigatórias do governo em bases anuais. 

Ou seja, por mais que o governo comprima os gastos livres que podem ser cortados, não há condições de reverter essa situação sem mudanças mais fortes nas despesas obrigatórias. Ou via aumento de impostos. Acontece que o Congresso não está disposto a abraçar nem uma nem outra alternativa.

É mais crise à frente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.