Governo persegue meta de superávit apertada, diz Fazenda

O secretário-executivo interino do Ministério da Fazenda, Dyogo de Oliveira, afirmou que a equipe econômica do governo está perseguindo uma meta de superávit "apertada" e que o ministério está comprometido com essa meta. "Novas desonerações poderiam comprometer esse objetivo", afirmou o secretário, em audiência pública que discute mudanças para micro e pequenas empresas. "Temos dificuldades de, neste momento, tratar de ampliação de desonerações", colocou.

LAÍS ALEGRETTI, Agencia Estado

02 de julho de 2013 | 17h09

A renúncia fiscal das empresas enquadradas no Simples Nacional, segundo Dyogo, foi de R$ 49 bilhões em tributos federais em 2012. Ele alertou, entretanto, que não é possível fazer essa conta porque algumas empresas não existiriam se não houvesse o Simples Nacional. "Como não é possível estimar esse efeito intrínseco do próprio programa, a estimativa é feita considerando tudo o mais constante. Olha-se a empresa como se pudesse retirar o Simples e ela continuar funcionando da mesma maneira."

Questionado sobre a emenda aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado que permite que as desonerações concedidas por Estados e municípios para redução de tarifas de transportes possam ser abatidas do serviço da dívida com a União, no limite mensal de 30%, Dyogo disse que o governo ainda precisa analisar a proposta. "Vamos avaliar com mais cuidado a questão, mas vejo dificuldades", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fazendadesoneraçãosuperávit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.