Governo pode assumir administração da Varig temporariamente

O presidente da Infraero, Carlos Wilson, informou hoje que uma das possibilidades para salvar a Varig é o governo assumir temporariamente a administração da empresa, para sanear sua dívida em torno de R$ 6 bilhões, e posteriormente, recolocá-la no mercado. O executivo, no entanto, ressaltou que não se trata de uma estatização. "Ninguém está pensando em estatizar", afirmou.Logo em seguida, em tom de brincadeira, o executivo disse que a Varig "já está estatizada", pois a empresa estaria sendo mantida com recursos públicos. Segundo o presidente da Infraero, dois terços da dívida da Varig são do governo. Apenas o débito com a Infraero, de US$ 370 milhões, já responderia por um terço do capital da nova empresa que deverá ser criada, contou o presidente da Infraero, ressaltando que tem interesse em deter uma participação na empresa.Dívida aumentou US$ 400 milhões no 1º semestreO plano de salvamento da Varig já deveria ter saído do papel, na visão do presidente da Infraero. Segundo ele, o problema com a empresa é grave, já que só no primeiro semestre a dívida da empresa teria aumentado em torno de US$ 400 milhões.Segundo o executivo, a Fundação Ruben Berta (FRB), dona de 87% das ações da Varig, deverá ter uma participação simbólica na nova empresa, que deverá ser criada após o saneamento financeiro da Varig. "A Fundação Ruben Berta já cumpriu o papel dela. Quem é que vai querer comprar a Varig com a fundação como controladora?", questionou o executivo. Segundo ele, quem deixa uma empresa com uma dívida de R$ 6 bilhões "não tem eficiência administrativa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.