Governo pode fazer nova emissão soberana da dívida

O governo brasileiro poderá voltar nas próximas semanas ao mercado internacional para fazer uma nova captação de recursos com títulos da dívida externa. No mercado financeiro, segundo apurou a Agência Estado, a expectativa é de que a primeira emissão soberana do Brasil em 2010 ocorra no fim deste mês ou no início de abril.

Adriana Fernandes / BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2010 | 00h00

Com a redução da percepção de risco de calote pela Grécia e o anúncio do Fed de manter nos EUA as taxas de juros perto de zero por "um período prolongado", a avaliação é de que uma janela de oportunidade para a emissão brasileira se abriu novamente no mercado externo. Esses dois fatores alimentam a expectativa de que a grande quantidade de dinheiro no mercado de dívida emergente não vai secar em breve.

Investidores externos têm feito prospecções com autoridades do governo sobre a possibilidade de uma nova captação. O Brasil fez sua última captação soberana no final do ano passado, quando conseguiu vender US$ 500 milhões de títulos atrelados ao dólar pagando a menor taxa de juros da história para um bônus da dívida externa brasileira.

Com prazo de vencimento de 10 anos, o Global 2019 foi emitido com taxa de retorno ao investidor de 4,75%.

Os rumores no mercado sobre a iminência de uma nova captação aumentaram ontem com a ida a Cancún, no México, de uma equipe do Tesouro e outras autoridades brasileiras para reuniões com investidores, durante o encontro anual de governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O subsecretário de Dívida Pública do Tesouro Nacional, Paulo Valle, informou à Agência Estado, por telefone, que as reuniões com investidores são de "rotina" e que não há nenhuma definição sobre uma nova captação.

Valle reconheceu que as condições do mercado melhoraram nos últimos dias e o que o mercado de bônus de dívida soberano está "aquecido" e que o "apetite" por Brasil segue em alta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.