Governo pode prorrogar IPI menor para carros até dezembro

Fontes disseram que medida valerá para linha branca e construção. Anúncio será feito na segunda-feira

Isabel Versiani e Natuza Nery, da Reuters,

26 de junho de 2009 | 17h45

O governo anunciará na segunda-feira novas medidas de estímulo à economia. O Ministério da Fazenda informou que o anúncio será feito às 11h30, no Palácio do Itamaraty, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Entre as medidas, estarão incentivos para o setor de bens de capital e a possível prorrogação da redução do IPI para alguns setores, como automóveis e construção civil. Duas fontes do governo confirmaram à Reuters que a prorrogação da desoneração do IPI valerá para automóveis, linha branca e construção civil. O imposto incidente sobre os carros será mantido no patamar atual por três meses. Em outubro, a alíquota será elevada, mas ainda permanecerá em níveis inferiores ao período pré-crise.

 

Veja também:

linkMantega critica substituição tributária para linha branca em SP

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O impacto para o governo será de cerca de R$ 2 bilhões no segundo semestre no que se refere aos carros. Além disso, o governo também anunciará a prorrogação por três meses da menor tributação para a linha branca e itens ligados à construção civil.

 

Nesta sexta, a presidente do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV), Luiza Helena Trajano, disse que representantes do setor varejista solicitaram hoje ao ministro Guido Mantega (Fazenda), em almoço promovido pela entidade em São Paulo, que seja prorrogada a redução de alíquotas do IPI para geladeiras, fogões, lavadoras e tanquinhos.

 

Segundo ela, que é presidente da rede de lojas Magazine Luiza, caso o governo não renove a redução do IPI, as vendas de eletrodomésticos da linha branca poderão retornar para os níveis anteriores aos da medida, editada em abril e que está prevista para terminar em 17 de julho. A executiva acrescentou que as vendas subiram entre 20% e 25% desde que começaram a vigorar os benefícios fiscais. "Sem prorrogação, vai cair o que aumentou", afirmou ela.

Segundo Luiza, foi dito ao ministro, durante o encontro, que o setor repassou a redução do imposto para os preços dos produtos. A executiva ressaltou ainda que a renovação da medida poderá manter a geração de empregos tanto na indústria quanto no comércio, que já mostraram sinais de reação desde a implementação do benefício. De acordo com ela, foi a única reivindicação formal feita ao ministro. Questionada sobre a reação do ministro ao pleito, ela respondeu não saber se ocorrerá a renovação do corte de IPI.

O encontro com Mantega promovido pelo IDV contou com as presenças de executivos e empresários do setor como Michael Klein (Casas Bahia), Ricardo Ribeiro (Marisa), Armando Almeida (Carrefour), Pierre County (Fnac), Jorge Gon (C&C Casa e Construção), Valdemir Colleone (Lojas Cem), Daniela di Fiori (Wal-Mart), Fernando Botton (Leroy Merlin) e Pedro Herz (Livraria Cultura).  

Tudo o que sabemos sobre:
IPISetor automotivoCarros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.