Governo pode ser obrigado a mudar a sigla Petro-sal

Nome já é utilizado por uma empresa do Rio Grande do Norte que fornece equipamentos de salinas

Governo pode ser obrigado a mudar a sigla Petro-sal,

10 de setembro de 2009 | 14h40

O governo poderá ter que alterar a sigla da estatal gestora da exploração do petróleo da camada pré sal. A Petro-sal já existe. É uma empresa fornecedora de peças para sondas e equipamentos de salinas, no Rio Grande do Norte. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que teve essa informação nesta última quarta-feira, 9, e que está examinando, do ponto de vista jurídico, o que deve ser feito. "Temos que respeitar as leis. Se a lei estabelece que ela (empresa) é a dona da sigla, assim será", afirmou Lobão, ao deixar o Senado, onde participou de audiência pública sobre o pré-sal.

 

Veja também:

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

"Vamos procurar o que fazer. Ou alteramos (a sigla), há tempo para isso, ou, quem sabe, ela (empresa) patrioticamente abrirá mão da sigla que detém e passaremos a usá-la", afirmou Lobão.

 

A Petro-sal, segundo projeto do governo encaminhado ao Congresso Nacional, é sigla da Empresa Brasileira de Administração de Petróleo e Gás Natural S/A. Segundo Lobão, se houver necessidade de mudança da sigla, isso poderá ser feito por iniciativa de algum deputado ou senador, em emenda ao projeto. O ministro disse que não há, ainda, uma nova sigla que possa substituir a anterior. "Não, mas procuraremos com rapidez", afirmou. Ele descartou a possibilidade de o governo ter que pagar para ter direito ao nome Pré-sal. Segundo um técnico do do governo o registro da empresa do Rio Grande do Norte foi em 2006, muito antes, portanto do lançamento do nome da nova estatal. Por isso não há intenção do governo de se apropriar do nome.

Tudo o que sabemos sobre:
pré-salPetro-sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.