Governo precisa de R$ 80 bi a R$ 100 bi para cumprir regra do Orçamento

Mesmo com devolução de R$ 130 bi que o BNDES fará ao Tesouro este ano, governo não conseguiria cumprir a ‘regra de ouro’; descumprimento é crime de responsabilidade fiscal

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O governo precisa garantir entre R$ 80 bilhões e R$ 100 bilhões para conseguir cumprir, neste ano, a chamada “regra de ouro” – uma norma prevista na Constituição que proíbe a União de se endividar para pagar despesas correntes, como salários e conta de luz. O descumprimento configura crime de responsabilidade fiscal.

+ Após déficit menor em 2017, Orçamento de 2018 pode não sofrer corte, diz Meirelles

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, o governo precisa levantar esses recursos extras, mesmo com a devolução de R$ 130 bilhões que o BNDES fará ainda este ano aos cofres do Tesouro. A equipe econômica vinha dizendo que, com esse dinheiro do banco e uso de receitas de anos anteriores que estão vinculadas a alguns fundos, seria possível honrar a “regra de ouro”.

+ Governo anuncia bloqueio de R$ 16,2 bi no Orçamento de 2018

É por isso que o governo não pode abrir mão de arrecadação neste momento, embora haja pressão para mudança na tributação de combustíveis e para reduzir o alcance da alteração na forma como é cobrado o Imposto de Renda sobre fundos exclusivos de investimento.

Neste ano, para honrar as despesas correntes, o governo teria de aumentar sua dívida em R$ 208,6 bilhões – esse é o tamanho do rombo que precisa ser coberto para cumprir a regra de ouro. Descontados os R$ 130 bilhões que serão devolvidos pelo BNDES, ainda restam R$ 78 bilhões. Segundo uma fonte da área econômica, no entanto, o governo precisa de uma margem de manobra para evitar surpresas no fim do ano. Por isso, a conta fica entre R$ 80 bilhões e R$ 100 bilhões.

+ Sem Previdência, governo terá de cortar R$ 14 bi do Orçamento de 2019

O governo depende agora do resultado de duas consultas já feitas ao Tribunal de Contas da União (TCU) para saber se é possível usar receitas de anos anteriores no cumprimento da regra

Rombo. Para 2019, o buraco é de pelo menos R$ 200 bilhões, e técnicos já reconhecem que o quadro negativo pode se manter pelos próximos quatro ou cinco anos. Há uma preocupação no TCU de que qualquer alternativa encontrada agora para o cumprimento da regra de ouro será uma mera formalidade – não será respeitada a essência da norma, que é impedir o endividamento acelerado do País, empurrando a conta para futuros governos.

Em um cenário extremo, não está descartado o risco de o próximo presidente da República simplesmente propor o fim da regra de ouro para não ficar “com a faca no pescoço” durante seu mandato.

+ Governo encerra janeiro com caixa de R$ 31 bi, maior da história para o mês

Prevista na Constituição, a regra de ouro não pode ser flexibilizada neste momento porque a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro impede mudanças constitucionais. Mas os técnicos do governo e do TCU têm discutido formas de cumpri-la no envio do Orçamento de 2019.

A avaliação é de que é preciso uma solução ao impasse que a própria Constituição impõe ao presidente e à equipe econômica. A legislação determina que uma série de despesas são de pagamento obrigatório – são cerca de 90% do Orçamento –, mas ameaça os gestores de crime de responsabilidade se houver necessidade de emissão de dívida para bancá-las.

Para um integrante da equipe econômica, não há solução que não seja aprovação de crédito suplementar bilionário em 2019 para permitir o pagamento despesas correntes. A Constituição permite a exceção, mas precisa do aval do Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.