Governo prepara incentivos para indústria de máquinas

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, prevê que o conjunto de medidas de incentivo ao setor de bens de capital (máquinas e equipamentos) saia no início da semana que vem. Ele ressalvou que as medidas ainda estão em fase de formatação e sendo discutidas com o Ministério da Fazenda. De acordo com Coutinho, uma desoneração do ICMS "é difícil, porque com os Estados é um processo mais complicado". No entanto, ele também observou que existe sensibilidade por parte dos Estados para "um tratamento mais leve do ICMS sobre bens de capital".

ADRIANA CHIARINI, Agencia Estado

19 de junho de 2009 | 13h49

O presidente do BNDES acredita que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano fique perto de 1% "ou um pouquinho abaixo, mas no ano que vem certamente vamos crescer 4%". Ele defendeu a continuidade de estímulos e políticas para consolidar a recuperação da economia brasileira. Ele afirmou ainda que o setor de bens de capital está em um vale, mas mostra boas perspectivas para 2010. Coutinho prevê que no último trimestre de 2009 a utilização da capacidade instalada da indústria de transformação deve chegar a 81%. Ele acredita também que o cenário vai melhorar no ano que vem, levando a uma retomada dos investimentos.

Coutinho afirmou que há expansão de investimentos em setores como petróleo e gás e energia. Para ele, alguns fabricantes de bens de capital deveriam converter parte de sua produção para esses setores. O executivo vê boas perspectivas também para os bens de capital para agricultura. O secretário de planejamento do Rio de Janeiro, Sérgio Ruy Barbosa, afirmou que o Rio de Janeiro já desonerou o ICMS sobre bens de capital no fim do ano passado e que os Estados de São Paulo e Minas Gerais também já tomaram providências em relação a isso. Coutinho e Barbosa participam do 38º Forum Nacional dos Secretários Estaduais de Planejamento, no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
indústriamáquinasBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.