Governo prepara teste de segurança para carro chinês

O governo deve criar uma certificação para carros importados da China. Os veículos devem passar por um teste de segurança, a ser realizado por uma instituição autônoma credenciada pelo governo. A proposta de certificação está sendo elaborada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e pelo Ministério das Cidades, que controla o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).A idéia surgiu na esteira do recall anunciado pela fabricante de brinquedos Mattel. Por causa das ameaças à saúde das crianças, o governo tornou mais criteriosa a certificação para importação de brinquedos da China. A mesma fórmula deve ser implementada para os automóveis chineses, cujos preços são bem inferiores aos dos carros nacionais.O Ministério do Desenvolvimento informou que os veículos chineses terão que atender os mesmos requisitos de segurança dos carros produzidos no Brasil. O governo argumenta que carros chineses como o Cherry foram proibidos de entrar nos Estados Unidos, porque não passaram nos testes de segurança.No Brasil, a importação de veículos atualmente passa por duas etapas. Na primeira, os veículos importados precisam obter uma certificação do Ibama, declarando que são "ambientalmente seguros" e atendem à legislação nacional. Depois, é necessário obter a autorização do Denatran. Nessa segunda etapa, os procedimentos são praticamente declaratórios. Com as mudanças em estudo, os carros terão que passar por testes antes de receber o certificado. O laboratório do Centro de Segurança Veicular da Federação Nacional das Empresas de Seguro (Fenaseg) pode ficar responsável pela avaliação.O Ministério do Desenvolvimento nega que a medida seja uma barreira não-tarifária para proteger a indústria nacional da concorrência desleal. Também não acredita que ela possa levar a um questionamento na Organização Mundial de Comércio (OMC). O Ministério argumenta que os critérios serão objetivos, tirando a marca de protecionismo, e que é papel do governo não só cuidar da defesa comercial mas também acompanhar a qualidade dos produtos importados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.