finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo pretende privatizar Copel este ano

O governo paranaense deu ontem um pontapé inicial no processo de privatização da Companhia Paranaense de Energia (Copel). As ações ordinárias (ON, com direito a voto) da companhia registraram alta de 10,37% no pregão de ontem, atingindo a R$ 14,90 o lote de mil. A alta seguiu-se à publicação do aviso de licitação para a contratação, até março, de advisers para o trabalho de modelagem de venda e avaliação econômico-financeira da companhia visando à desestatização.O secretário de Estado do governo paranaense, José Cid Campelo Filho, garantiu que a Copel, uma energética integrada (com ativos de geração, distribuição e transmissão de energia), não será fatiada em várias empresas para a privatização - conforme ocorreu com a Companhia Energética de São Paulo (Cesp). A venda da companhia em um bloco só, na opinião de analistas, transforma a Copel na melhor oportunidade de negócios entre os ativos do setor elétrico passíveis de privatização.Marcos Severine, analista da Corretora Sudameris, calcula, com base no valor das ações da companhia, que a Copel deverá ser oferecida em leilão por um preço mínimo entre R$ 3 milhões e R$ 3,5 milhões. Campelo acrescentou que o governo paranaense gostaria de vender o controle acionário da energética ainda neste ano. "Diante da expectativa de que poderão ser interpostos recursos judiciais contrários à iniciativa, porém, fica difícil estabelecer prazos para a venda da companhia", acrescentou.

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2001 | 13h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.