Governo prioriza conforto sobre risco, diz ministro

O governo está administrando a crise de energia de modo a maximizar o conforto da população, em detrimento da minimização do risco para o setor, segundo o ministro de Minas e Energia, José Jorge. A explicação foi feita durante a reunião da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE), quando o ministro respondeu a críticas recebidas em conseqüência das medidas de redução do racionamento adotadas até aqui. "Podemos ou minimizar o risco, ou maximizar o conforto, e optamos por maximizar o conforto, mas mantendo o risco sob absoluto controle", disse. Ele explicou que a decisão foi tomada por que o nível de oferta de energia "tem influência econômica, no emprego e no conforto das pessoas". Mesmo com as medidas liberalizantes adotadas, o ano de 2002 será mais fácil de se administrar do que o ano passado, do ponto de vista energético, e a facilidade aumentará em 2003, segundo José Jorge.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2002 | 15h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.