Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo publica MP que adia pagamento de dívida de R$ 3,5 bi com Eletrobrás para 2018

MP também traz soluções para imbróglios que poderiam atrapalhar o processo de privatização da estatal, previsto para 2018

Anne Warth e Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2017 | 09h01

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer editou a Medida Provisória 814/2017, que, entre outros pontos, adia para 2018 o prazo para a União pagar a Eletrobrás por despesas com o abastecimento de energia em regiões isoladas no Norte do País. Como o Estadão/Broadcast já informou ontem, a MP traz soluções para alguns imbróglios que envolvem a Eletrobrás e que poderiam atrapalhar o processo de privatização da estatal, previsto para 2018.

A Eletrobrás tem para receber da União até R$ 3,5 bilhões como ressarcimento de gastos com compra de combustível para termelétricas no Norte do País. Essas despesas foram pagas pelas distribuidoras do grupo, que atendem aos Estados de Amazonas, Roraima e Amapá.

+ Privatização da Eletrobrás pode ser enviada ao Congresso até sexta-feira, diz Moreira Franco

A MP altera uma lei sancionada no ano passado, que já trazia o valor de R$ 3,5 bilhões, mas fixava o prazo de pagamento até 2017. Agora, o pagamento poderá ser feito "até o exercício de 2018, sujeito à disponibilidade orçamentária e financeira". A maior parte dos recursos deve ficar com a Eletrobrás Amazonas Energia.

A Eletrobrás poderá usar esse dinheiro para abater a outorga que terá que pagar à União para ter direito a novos contratos de concessão para suas usinas. Esses contratos vão permitir que a energia desses empreendimentos passe a ser vendida a preços de mercado, em substituição ao regime de cotas, cujas receitas se limitam a custos como operação e manutenção.

+ Tesouro gasta R$ 122 bi com estatais em 5 anos

Mas, para abater o valor da outorga, a Eletrobrás terá que assumir a dívida de suas distribuidoras, ou seja, terá que "subir" esses valores para a holding Eletrobrás.

A MP também traz soluções para outras distribuidoras do Grupo Eletrobrás nos Estados de Rondônia e Acre. Essas empresas firmaram contratos para atendimento de suas regiões sem cobertura legal e, por isso, teriam que devolver, respectivamente, R$ 587 milhões e R$ 300 milhões.

 + Consumidores vão pagar R$ 16 bi em subsídios na conta de luz em 2018

O governo reconheceu, porém, que o atendimento foi realizado e que deveria ser pago por meio das tarifas, pois essas regiões corriam o risco de ficar sem energia. A própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) recomendou que os contratos fossem reconhecidos, pois só foram firmados devido a atrasos relacionados a questões burocráticas. Com a MP, os valores não precisarão mais ser devolvidos.

Mauá 3. Outra questão que a MP vai resolver diz respeito à usina termelétrica de Mauá 3, da Eletrobrás Amazonas Geração e Transmissão. A usina firmou contratos para entrega de energia até 2040, mas o contrato de fornecimento de gás, através do gasoduto Coari-Manaus, termina em 2030.

Para não correr o risco de ficar sem possibilidade de entregar a energia comercializada, a empresa terá a possibilidade de adaptar seu contrato: a companhia poderá substituir a energia que deveria ser entregue entre 2030 e 2040 por eletricidade produzida por outras termelétricas da região no período entre 2020 e 2030.

Essa possibilidade vai permitir "casar" os contratos de energia com os de fornecimento de gás, elevar o valor da usina, que hoje é negativo, e reduzir as perdas da Eletrobrás Amazonas Geração e Transmissão. Não haverá repasse de custos ao consumidor. Além disso, abre espaço para que distribuidoras possam contar com energia firme no futuro. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.