Governo quer acelerar cobrança de dívida ativa

Reunião da Câmara de Política Econômica hoje, comandada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, discutiu uma proposta do Ministério da Fazenda destinada a facilitar e acelerar o recebimento dos valores da dívida ativa de pessoas físicas e jurídicas com a União, inclusive débitos com a Previdência Social. Essas dívidas, que não incluem as de Estados e municípios com a União, podem chegar, pelos cálculos preliminares de assessores do governo, a R$ 1 trilhão; de acordo com estimativa da Fazenda, somariam de R$ 680 bilhões a R$ 700 bilhões.A proposta da Fazenda, segundo fontes do Planalto, deve incluir incentivos aos devedores, com parcelamentos e descontos no valor dos débitos. Assessores disseram que o presidente Lula considerou boa a proposta, apresentada na reunião pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Lula pediu que o ministro apresentasse essa proposta aos presidentes do Senado e da Câmara e aos líderes dos partidos da base aliada para análise do seu mérito e estudo de formas de facilitar sua aprovação no Congresso.Além de Mantega, participaram da reunião no Planalto os ministros Dilma Rousseff (Casa Civil), Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão), Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência), Miguel Jorge (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e Franklin Martins (Comunicação Social da Presidência). Participaram do encontro também representantes da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria Nacional da Fazenda.

LEONENCIO NOSSA, Agencia Estado

11 de junho de 2008 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.