Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo quer conter 'besta' do aumento de gastos e voltar rombo das contas para até 2% do PIB

Equipe econômica já trabalha para colocar a dívida pública no eixo após os gastos com o coronavírus; previsão deste ano é de déficit primário de 12% do PIB

Adriana Fernandes e Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 17h02

BRASÍLIA - O governo está comprometido em conter a “besta” do aumento de gastos públicos, asseguram fontes do Ministério da Economia e do Palácio do Planalto. Depois do aumento dos gastos esse ano para enfrentar os efeitos da covid-19, a equipe econômica quer achatar o rombo das contas públicos para um patamar entre 1% e 2% do Produto Interno Bruto (PIB)

Segundo uma fonte, que pediu para não ser identificada, não se trata de uma “promessa”, mas uma diretriz do governo que será perseguida com o plano de retomar a aprovação das reformas estruturantes.“Vamos tentar chapar o bicho (o déficit) para baixo, empurrar ladeira abaixo. Não vai ser os 11%, 12% deste ano”, previu um integrante da equipe econômica, que falou na condição de anonimato.

Para isso, de acordo com a fonte, são necessárias a manutenção do teto de gastos, a regra constitucional que proíbe que os gastos cresçam em ritmo superior à inflação, e aprovação de medidas do chamado DDD (desindexar, desvincular e desobrigar), para tirar as "amarras" do Orçamento. A previsão do Ministério da Economia é fechar 2020 um déficit primário de 12% do PIB.

As declarações vêm num momento em que os investidores colocam em dúvida o comprometimento do governo com a contenção de gastos em 2021.

Como mostrou o Estadão, economistas e instituições financeiras avaliam que, se não houver correção de rumo, o Brasil pode viver uma crise da dívida pública e comprometer o quadro atual de juros e inflação baixa. Sinais nessa direção já são sentidos nos indicadores de mercado, como câmbio e juros futuros.

Além do controle dos gastos, o Ministério da Economia conta para 2021 com o avanço das concessões e a aprovação das reformas administrativa e tributária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.