Governo quer fim da greve para negociar com auditores

O governo apresentou hoje aos auditores fiscais da Receita Federal, em greve há 37 dias, uma nova fórmula de avaliação das promoções na carreira, ainda não revelada, mas condicionou a continuação das negociações ao fim da paralisação. A informação foi concedida pela assessoria de imprensa do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco).O Unafisco marcou para amanhã novas assembléias para votar a continuação ou o fim da greve, mas sua diretoria, reunida nesta tarde, ainda não decidiu a posição que irá recomendar às assembléias. O Unafisco considera que o sistema de avaliação da promoção negociado com o governo no acordo salarial fechado no ano passado, antes do fim da CPMF, dá margem ao uso de critérios políticos, porque a promoção é decidida pelo chefe imediato.O principal entrave ao entendimento, porém, conforme reconhece a diretoria do Unafisco, é a mudança no cronograma de implementação dos reajustes salariais, estendido pelo governo até 2010, com o fim da CPMF, quando o último aumento seria concedido em 2009. Tal mudança fez com que este último reajuste incida sobre os vencimentos com 15 meses de atraso.O Sindicato dos Auditores promoveu hoje atos públicos em vários Estados e seus dirigentes voltaram ao Congresso Nacional solicitando apoio à greve. Segundo o Unafisco, 19 deputados e dois senadores foram ontem ao ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, solicitar um fim para o impasse. Participaram da nova rodada de negociações com os auditores, hoje, pelo lado do governo, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, e o secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Duvanier Paiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.