Governo quer financiar carro usado com recursos do FAT

Dinheiro do FAT vai para investimentos ou capital de giro, não sendo comum seu uso para financiar consumo

Sergio Gobetti, de O Estado de S. Paulo,

30 de janeiro de 2009 | 19h48

O governo quer usar dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para criar uma linha especial de financiamento para tentar tirar o comércio de carros usados da paralisia em que se encontra. A linha será operada pelo Banco do Brasil e, segundo fontes ligadas ao Ministério do Trabalho, deverá somar R$ 2,5 bilhões. Veja também:Comércio de veículo usado em SP cai 11% em dezembro  Os detalhes sobre a medida, que depende de aprovação do Conselho Diretivo do FAT, deverão ser anunciados na próxima semana pelo BB. "O Conselho ainda não recebeu nenhuma proposta oficial sobre isso, mas não vemos problema em analisá-la se o governo considerá-la importante para enfrentar a crise", disse ontem o presidente do Codefat, Luiz Fernando Emediato. Normalmente, o dinheiro do FAT (oriundo de recolhimentos do PIS) é direcionado para investimentos ou capital de giro, não sendo comum seu uso para financiar consumo. O Codefat já aprovou, por exemplo, uma linha de financiamento popular para fogão e geladeiras, mas a mesma não teve demanda. "Os consumidores preferiram comprar e financiar diretamente com as lojas de varejo", disse Emediato. No caso atual, entretanto, ele avalia que uma linha para carros de segunda mão possa ter boa receptividade, até porque a taxa de juros é bem menor do que a atualmente praticada, de cerca de 1,8% ao mês. O BB, lembra o presidente do Codefat, adquiriu recentemente o controle acionário do Banco Votorantim justamente de olho em sua carteira de crédito no setor automotivo. O encalhe de veículos usados estaria, segundo empresários do setor, em torno de 1 milhão. A demanda por esse tipo de carro caiu também por causa do barateamento dos carros novos, beneficiados com redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.