Governo quer incentivar fabricação de carros menos poluentes

Mantega anuncia criação de grupo de trabalho para estimular a indústria a desenvolver tecnologias novas

Fabio Graner, Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, Agência Estado

24 de novembro de 2009 | 19h48

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou há pouco a criação de um grupo de trabalho no governo que vai trabalhar para estimular a indústria automotiva a desenvolver tecnologias novas para reduzir a emissão de poluentes e ajudar na preservação do meio ambiente. O grupo será composto pelos ministérios da Fazenda, Desenvolvimento, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia.

"O grupo de trabalho vai trabalhar com os fabricantes para que sejam trazidos ao Brasil projetos que tenham preocupação com o meio ambiente", disse Mantega. Ele destacou que a ideia do governo é estimular o uso de energia renováveis, como biocombustíveis, melhorar em termos de redução de emissões os motores flex e estimular o desenvolvimento no Brasil de tecnologias de veículos híbridos, que operam usando energia renovável e eletricidade, além também de estimular a produção de carros mais compactos que usam menos energia e, portanto, poluem menos.

Mantega disse que o grupo de trabalho vai produzir o primeiro relatório em 31 de março de 2010, quando os novos incentivos fiscais aos carros flex anunciados há pouco têm data prevista para se encerrar.

Mantega disse que o objetivo do governo é consolidar a indústria automotiva no Brasil e melhorá-la, de modo que tenha maior participação na produção mundial. Além disso, o governo quer trazer para cá o desenvolvimento de tecnologias voltadas para a preservação ambiental e menor emissão de carbono.

Segundo ele, o momento agora é importante já que as indústrias do setor estão definindo suas estratégias mundiais e é importante que tenham o estímulo a produzir no Brasil. "O objetivo é dar mais condições para o Brasil ser mais competitivo na produção e na geração de emprego", acrescentou o ministro.

Tudo o que sabemos sobre:
IPIcarrospoluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.