Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo quer mudar matriz de transporte

O pacote de concessões lançado semana passada pela presidente Dilma Rousseff tenta equilibrar a matriz de transporte brasileira, hoje baseada nas rodovias. Sem considerar o projeto da ferrovia Bioceânica, ainda sem estudos, o governo promete colocar em licitação mais de 4 mil quilômetros de trilhos novos. Boa parte deles tem o objetivo de escoar a produção de grãos do Centro-Oeste, que tem sérias limitações para transportar a produção.

RENÉE PEREIRA, O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2015 | 05h00

Segundo relatório publicado mês passado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil tem o pior mix de transportes entre os concorrentes (Austrália, Canadá, China, Rússia e Estados Unidos). Cerca de 60% de tudo que é movimentado no País é feito por caminhões em estradas de péssima qualidade, o que encarece o produto nacional.

“A agricultura brasileira está aumentando a área plantada e a produtividade, mas para tirar esse produto da fazenda e levá-lo até um porto gasta-se boa parte da competitividade conseguida”, afirma o coordenador do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral, Carlos Braga. Para ele, o pacote apresentado pelo governo é uma ótima notícia, mas ainda é incapaz de reduzir o passivo do setor. “Temos uma defasagem histórica, que não se consegue eliminar no curto prazo.”

Apesar dos esforços do governo, no entanto, ainda falta muito para colocar as ferrovias de pé. Segundo especialistas, um dos pontos cruciais é a definição do modelo que será usado nas concessões. Desde 2012, o governo vinha trabalhando numa nova fórmula, que separava a construção e administração da operação. Sem o aval dos investidores, o modelo está praticamente eliminado.

De qualquer forma, o governo terá de acelerar essas definições para conseguir turbinar os investimentos no Brasil. “Se não tiver um mínimo de investimentos, o País passa da recessão para a depressão”, afirma o economista Gesner Oliveira, sócio da GO Associados. Na avaliação dele, no entanto, os efeitos práticos do programa de concessão não será imediato. Muitos projetos ainda precisam de estudos de viabilidade econômico-financeira. 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    infraestruturalogísticaferrovias

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.