Governo quer reduzir a dívida atrelada à taxa Selic

A equipe econômica incluiu na nova agenda de desindexação da economia a redução da dívida pública atrelada à taxa Selic. Essa queda aumentaria a eficiência da política monetária e permitiria reduzir as taxas de juros de forma mais rápida no futuro. Até 2014, no fim do governo Dilma Rousseff, vencerão 80% do estoque em mercado de títulos remunerados pela Selic, as LFTs. E o governo quer aproveitar essa concentração de vencimentos para acelerar a redução desse tipo de papel, considerado de maior risco para a gestão do financiamento da dívida pública.

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2011 | 00h00

Afinal, quando o Banco Central tem que aumentar os juros para combater pressões inflacionárias, o custo da dívida fica automaticamente mais caro para o governo. O Tesouro vem conseguindo reduzir nos últimos anos a participação de papéis corrigidos pela Selic no total da dívida interna, aumentando o volume de títulos prefixados e atrelados a índice de inflação.

No primeiro semestre deste ano, a parcela desses papéis no total da dívida, que já chegou a mais de 60% no passado não muito distante, atingiu o menor patamar da história (30,91%). Mas essa redução é ainda considerada muito conservadora, com avanços lentos, mesmo nos períodos de ciclo de queda da taxa de juros.

Nos primeiros quatro anos do governo Lula, o Ministério da Fazenda chegou a divulgar como meta a tarefa de zerar as LFTs do cardápio de títulos do Tesouro. Depois, não se falou mais nisso. Agora, a equipe do ministro Guido Mantega direcionou novamente os holofotes para o assunto ao incluir a redução dos passivos corrigidos pela taxa Selic na agenda da desindexação.

A discussão está aos poucos ganhando corpo entre os economistas, que buscam soluções. Espaço para mudanças mais significativas existe. A grande janela de oportunidade já está dada até 2014. A tarefa não será fácil. Mas, por enquanto, o Ministério da Fazenda dá sinais contraditórios em relação à política. Os empréstimos sucessivos ao BNDES, que aumentam a dívida com papéis de curto prazo, é um deles.

Dar velocidade maior ou menor ao processo de redução dos passivos remunerados pela taxa Selic não está relacionada somente a ciclos econômicos e monetários. Exige também uma estratégia mais coordenada de políticas no enfrentamento do problema. A desindexação tem um custo não desprezível para o Tesouro, que também precisa estar na conta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.