carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Governo quer reduzir vazão de água para manter nível de reservatórios

Redução da água que passa pelas turbinas das hidrelétricas pode ser ampliada para outras regiões

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2014 | 02h09

O governo federal estuda reduzir a vazão de água (que passa pelas turbinas) em algumas hidrelétricas do País para preservar o nível dos reservatórios até o fim do período seco, em novembro. A medida, tomada nas usinas de Sobradinho - que pode ter nova redução - e Três Marias, pode ser ampliada para outras bacias do sistema nacional, como Rio Grande.

A decisão, no entanto, depende de autorização da Agência Nacional de Água (ANA) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), já que interfere em outras áreas, como irrigação, navegação e até abastecimento humano.

"Essa manobra segura o armazenamento e nos dá um alento para chegar até o fim de novembro", afirma um técnico do governo federal, na área elétrica. Segundo ele, em dois cenários traçados para 2015, o volume de água nos reservatórios no fim do verão deveria ser bem maior que o previsto - o mercado espera 14% de armazenamento no sistema Sudeste/Centro-Oeste.

No caso de o próximo período chuvoso ser o segundo pior da série, os cenários mostram que as represas deveriam terminar novembro com 34% de armazenamento para suportar o abastecimento no ano que vem. Se vier a ser o pior período úmido, seria necessário ter 43%. "Não vamos alcançar esses níveis, mas ainda não é situação de racionamento. Temos ações que podemos tomar."

O técnico não quis antecipar quais bacias devem ser atingidas pela decisão. Mas, pela situação crítica dos reservatórios, é possível que haja alguma medida envolvendo o Rio Grande, onde está instalada a Hidrelétrica de Furnas. Segundo o presidente da Associação Brasileira das Empresas Geradoras de Energia Elétrica (Abrage), Flávio Neiva, a manobra tem o objetivo de proteger o estoque de água das cabeceira dos rios, onde estão as usinas de Furnas, Emborcação e Nova Ponte. "São operações para evitar o esgotamento dos reservatórios."

Segundo um executivo do setor, outra hidrelétrica que pode ser atingida pela medida é Serra da Mesa, no Rio Tocantins, para dar uma sobrevida à Hidrelétrica de Tucuruí. Hoje Tucuruí está vertendo água (jogando água fora). A ideia é manter o nível de Serra da Mesa agora para Tucuruí continuar gerando no máximo durante mais tempo e, assim, manter elevado o intercâmbio de energia para o Sudeste/Centro-Oeste.

"Ainda há ações técnicas que permitem tirar leite de pedra e evitar um racionamento", afirmou o técnico do governo. Em nota divulgada ontem, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) afirmou que "estudos técnicos realizados de acordo com os critérios vigentes, com base na atual situação dos reservatórios e nas condições hidrológicas previstas, não indicam a necessidade de adoção de cortes de energia".

Por outro lado, admitiu que, "caso ocorra um agravamento das condições hidrológicas no período de maio a novembro, diferentemente do que é atualmente esperado, o ONS poderá propor medidas adicionais às autoridades setoriais", para garantir o fornecimento de energia para a sociedade.

Especialistas destacam, entretanto, que a medida de redução da vazão de água reduz também a produção de energia. Essa geração terá de ser compensada por outra usina, em algum lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.