Governo quer uma Eletrobrás poderosa, diz Lobão

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse hoje que o governo quer fazer da Eletrobrás "uma holding poderosa, para que o setor elétrico ganhe músculos". Segundo ele, esta é a intenção da medida provisória que está tramitando no Senado e que amplia os poderes da estatal. Entre outras novidades, a MP abre a possibilidade de a Eletrobrás e suas subsidiárias atuarem no exterior e serem majoritárias em consórcios com empresas privadas. Essa última possibilidade vem despertando no mercado temores de que o governo queira aumentar o papel do Estado no setor elétrico. Sobre isso, Lobão disse que é apenas uma minoria que fala em estatização. "A maioria das empresas recorre às estatais para se associar a elas. Essas empresas querem a Eletrobrás forte", disse. Lobão afirmou também que o fato de a MP permitir a participação majoritária não significa que este seja o plano do governo. "Não é nossa intenção que as estatais sejam majoritárias. Elas podem ser quando necessário; quando as empresas privadas entenderem que não conseguem formar um consórcio com capital privado predominante", disse. Sobre a Eletrobrás atuar fora do País, o ministro disse que isso é bom para que ela dispute espaço no exterior. "Queremos fazer usinas com os países vizinhos e para isso precisamos da Eletrobrás em condições de exercer este papel", explicou. Lobão disse que é possível que no futuro a Eletrobrás faça usinas dentro de territórios de países vizinhos - e não apenas na fronteira - e exporte a energia para o Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.