Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Governo quer usar em 2021 recursos deste ano para a covid-19

Se for aprovada pelo TCU, medida permitirá que R$ 2,5 bilhões em despesas de assistência social para o enfrentamento da pandemia sejam executadas no próximo ano

Idiana Tomazelli, BRASÍLIA

30 de dezembro de 2020 | 16h46

O governo pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) que estenda a possibilidade de usar em 2021 recursos contra covid-19 previstos para este ano no Fundo Nacional de Assistência Social. Uma decisão da corte de contas já liberou pagamentos realizados por meio do Fundo Nacional de Saúde e as despesas do orçamento de guerra, criado para abrigar os gastos de combate à pandemia, desde que já tivessem sido iniciadas.

Em parecer obtido pelo Estadão/Broadcast, a área técnica do tribunal se manifestou de forma favorável ao pedido do governo. Na prática, a medida vai permitir que R$ 2,5 bilhões em despesas de assistência social para o enfrentamento da calamidade sejam executadas em 2021. Caso contrário, o dinheiro precisaria ser devolvido ao Tesouro Nacional.

O valor pode se somar aos R$ 31,612 bilhões em gastos da pandemia que devem ser inscritos nos chamados "restos a pagar" e que serão levados para o Orçamento do ano que vem.

A Secretaria Nacional de Assistência Social, ligada ao Ministério da Cidadania, defendeu a extensão do entendimento do TCU e argumentou que uma compreensão diferente dessa seria “prejudicial ao Sistema Único de Assistência Social - SUAS e ao desenvolvimento das ações socioassistenciais no enfrentamento da pandemia da Covid-19 essenciais à população mais vulnerável e em risco social, que tem a sua condição agravada frente ao contexto de continuidade da infecção do novo coronavírus”.

“Portanto entende-se não ser razoável impedir a utilização desses recursos a partir de janeiro de 2021”, disse o órgão. Segundo a secretaria, os entes continuam executando os recursos, de forma que os saldos poderão ser gastos ainda dentro do ano que vem. A decisão do TCU havia estabelecido 31 de dezembro de 2021 como data-limite para a execução estendida dessas despesas.

Economia endossa pedido

O pedido da Cidadania foi endossado pelo Ministério da Economia, que no mês passado tinha uma posição mais reticente sobre permitir a execução no ano que vem de despesas previstas este ano. Em ofício, o secretário-executivo da Economia, Marcelo Guaranys, pediu que o TCU analisasse a possibilidade de emitir uma decisão cautelar, com efeitos imediatos, para permitir a aplicação do mesmo entendimento para os recursos do FNAS. A medida precisa sair antes do fim do ano para evitar a devolução dos recursos.

A área técnica entende que os entes podem continuar a execução, conforme previsto. “Não se vislumbra plausibilidade jurídica na determinação de devolução, aos cofres federais, de recursos da União repassados a título de transferência obrigatória para enfrentamento da pandemia, enquanto persistirem as causas da calamidade pública nacional e os efeitos econômicos e sociais dela decorrentes de forma direta”, diz o documento.

O parecer dos auditores também recomenda que Ministério da Economia, Cidadania e Casa Civil sejam ouvidos em 15 dias sobre a possibilidade de fixar regras para a devolução dos recursos restantes em caso de término das “causas e os efeitos sociais e econômicos da pandemia”, uma vez que as transferências foram bancadas integralmente por meio da elevação do endividamento público.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.