Governo quer usar lucro de banco para prevenir calote

O governo quer forçar os bancos a reservar parte do lucro deste ano para enfrentar o aumento da inadimplência de consumidores - principalmente das classes C e D - que deverá ocorrer nos próximos meses por causa da desaceleração econômica e da alta do desemprego. Com a estratégia, o governo espera afastar o risco de insolvência no sistema financeiro.Na avaliação da equipe econômica, os bancos tiveram ?lucro adicional? com a crise - o que será revelado nos próximos balanços. Boa parte desse lucro veio com a elevação dos spreads das operações financeiras durante a forte restrição de liquidez enfrentada a partir de meados de setembro. Se nessa primeira fase da crise a lucratividade dos bancos cresceu, numa segunda fase o quadro será de problemas provocados pela inadimplência, advertiu importante fonte do governo. O assunto já foi debatido no Planalto, com a equipe econômica.Embora admita que o aumento da inadimplência é inevitável, um integrante da equipe econômica disse não acreditar que a crise possa revelar o que alguns economistas estão chamando de ?subprime brasileiro?. Mas o governo sabe que, nos últimos anos, o crédito no mercado interno cresceu a taxas muito altas, acima de 25%.Uma imensa massa de trabalhadores, das classes C e D, teve acesso ao crédito e comprou bens de consumo duráveis com prazo muito dilatado. Com as demissões, esses trabalhadores não terão como pagar suas prestações e os bancos enfrentarão problemas. Esse seria o ?subprime brasileiro?, na avaliação de economistas.A avaliação da área econômica é que essa situação só se concretizaria se ocorresse no Brasil um processo muito intenso de desemprego, o que não é previsto por nenhum economista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.