Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Governo rebate previsões da OCDE sobre o Brasil

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, rebateu as previsões da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o crescimento da economia brasileira e o comportamento da inflação do País, dizendo que há "inconsistências macroeconômicas" no modelo utilizado pela instituição em suas estimativas divulgadas hoje. "Há inconsistências macroeconômicas nas projeções da OCDE", afirmou o secretário.

IURI DANTAS, Agencia Estado

26 de outubro de 2011 | 16h15

Segundo Holland, o modelo de projeções da OCDE leva muito em conta a inflação passada e não incorpora "a capacidade de reação da economia brasileira" aos choques causados pela crise financeira internacional.

"O Brasil surpreendeu em 2008/2009 e provavelmente vai surpreender os mais pessimistas em futuro próximo", acrescentou o secretário.

Em seu Estudo Econômico, a OCDE reviu para baixo o crescimento da economia neste ano de 4,1%, em maio, para 3,6% no documento divulgado hoje. A expansão econômica vai desacelerar para 3,5% no ano que vem, ante uma previsão de 4,5% de crescimento do PIB feita em maio. O governo brasileiro estima um crescimento do PIB de 4% em 2011 e 5% em 2012.

De acordo com o secretário, o mercado financeiro já começou a mudar suas previsões e concordar com a premissa do governo de que a inflação vai começar a "convergir rapidamente" para a meta nos próximos meses.

Tudo o que sabemos sobre:
OCDErelatórioBrasilgoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.