Governo será parceiro seguro e confiável, diz Dirceu

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, disse a empresários da indústria de base, reunidos no seminário "Agenda para o Desenvolvimento Sustentável da Infra-Estrutura", promovido pela Abdib, que o governo "será um parceiro seguro e confiável" do setor privado. Segundo ele, o governo quer atrair investimentos privados e tomar medidas para viabilizar esses investimentos nos diversos setores da economia, como a construção naval e a infra-estrutura portuária. Dirceu disse, ainda, que o País precisa ter um planejamento porque, se isso não acontece, "não há clareza do papel do Estado nem da iniciativa privada". Ele reafirmou a intenção do governo de avançar nas reformas. "Sabemos que temos que completar a Reforma do Judiciário e, também, a Reforma Trabalhista no ano que vem", afirmou. Sobre a Reforma Tributária, ele disse que é um moto perpétuo e que o governo não pode descansar sobre os avanços já conseguidos. Segundo Dirceu, o sistema tributário nacional ainda é regressivo e ainda cria dificuldades para a sociedade brasileira. Ele defendeu a provação dos projetos que estão na agenda econômica do governo, como a Lei de Falências e o projeto que institui as Parcerias Público-Privadas. Também justificou as dificuldades do governo para implementar a prestação de serviços de infra-estrutura na área de transportes e saneamento. Chegou a citar o fato de um parecer do Tribunal de Contas da União ter provocado a suspensão da concessão de sete rodovias e as dificuldades com o arcabouço legal no setor de saneamento. Os presidentes da Câmara, deputado João Paulo Cuha (PT-SP), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP), também fizeram pronunciamentos no seminário, apoiando a agenda econômica do governo e incluindo entre os projetos importantes também a Lei de Biossegurança, projeto que trata da construção civil, a lei de inovação tecnológica e a que trata das agências reguladoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.