Governo só retoma concessões no final do ano

Leilões ocorreriam após o impeachment para dar aos investidores mais confiança em relação aos contratos e tempo para se organizarem em consórcios

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2016 | 05h00

BRASÍLIA - O governo só vai retomar os leilões para concessões na área de infraestrutura no fim deste ano, após o término do processo do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. A partir de agora, as licitações serão realizadas 90 dias após a publicação dos editais dos empreendimentos. Essa deve ser uma das primeiras medidas a serem anunciadas pelo conselho do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), que se reúne em 15 dias.

O intervalo maior entre os editais e os leilões valerá para todas as concessões, como rodovias, ferrovias, portos e aeroportos. Segundo uma fonte do governo, um dos objetivos dessa mudança é proporcionar aos investidores privados a segurança de que os contratos de concessão serão assinados por um governo permanente, não provisório.

A mudança atende também a um pedido dos investidores, que querem mais tempo para concluir as negociações sobre a formação de consórcios. Até lá, o governo do presidente em exercício Michel Temer deve definir a participação do BNDES no financiamento desses empreendimentos.

Projetos. O primeiro lote de concessões contém 13 projetos, sendo quatro aeroportos, três terminais portuários, quatro rodovias e duas ferrovias. A minuta do edital dos aeroportos de Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza já está em audiência pública. É o processo mais adiantado e atrativo para o mercado. O valor mínimo de arrecadação previsto pelo governo é de R$ 4,1 bilhões. Além da outorga, serão exigidos mais R$ 6 bilhões em investimentos.

Na área de portos, serão licitados os terminais de passageiros de Recife e Fortaleza e um de trigo, no Rio de Janeiro. Embora os processos estejam bem encaminhados, o impacto na economia é irrisório, devido ao baixo valores de outorga e o nível de investimento exigido. Em maio, a privatização do terminal de passageiros de Salvador rendeu ao governo apenas R$ 8,5 milhões.

O governo não informou quais trechos de rodovias e ferrovias serão leiloados. O único projeto de rodovia avançado dentro da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) é o que liga os municípios de Jataí (GO) a Uberlândia (MG), cuja previsão é ser licitado em meados de novembro. A Rodovia do Frango, entre Santa Catarina e Paraná, enfrenta dificuldades técnicas e políticas e deixou de ser prioridade.

Nas ferrovias, o impasse está no modelo de concessão que será adotado. Não há, até agora, sequer uma definição clara sobre o formato em que os trilhos serão concedidos à iniciativa privada. Após a definição, as propostas deverão ser encaminhadas ao Tribunal de Contas da União (TCU), para então passarem por audiência pública. Esse é um caminho que dificilmente o governo conseguirá percorrer até o fim do ano.

O objetivo é repassar para o setor privado dois pontos da ferrovia Norte-Sul. Um deles é o traçado de 855 quilômetros entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), já concluído, e o outro é o trecho de 700 quilômetros entre Anápolis (GO) e Estrela D’Oeste (SP), previsto para ser entregue no meio do ano que vem.

De acordo com Eduardo Parente, representante do PPI, o lote de 13 concessões está bem estruturado e conta com a receptividade do mercado. “Esses projetos têm interessados e um grande potencial de geração de empregos e investimentos”, disse. Também segundo ele, o conselho do PPI deve se debruçar, na primeira reunião, na busca de solução de problemas em empreendimentos já concedidos. Ele mencionou obras na BR-040 e na BR-153, paralisadas por burocracias ambientais. Além disso, as concessionárias responsáveis por aeroportos privados enfrentam dificuldades na liberação de financiamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.