Governo taxa aço importado contra invasão chinesa

Por decisão da Camex, imposto de importação de sete tipos de aço passa a ter alíquotas de 12% a 14%

Renata Veríssimo, O Estadao de S.Paulo

06 de junho de 2009 | 00h00

Para proteger a siderurgia nacional dos efeitos da crise global, o governo aumentou ontem a alíquota do Imposto de Importação para sete tipos de aço. Os produtos, que desde 2005 entravam no País com alíquota zero, passarão, segundo decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a ser taxados em 12%, no caso de seis tipos de chapas e bobinas a quente, a frio e chapas grossas de aço-carbono. As barras de aço ligado terão alíquota de 14%. A medida atende ao apelo das siderúrgicas que estão perdendo mercado brasileiro para as importações, ao mesmo tempo em que houve uma retração da demanda interna e externa. De acordo com uma fonte do governo, a medida visa a proteger a indústria nacional, sobretudo da importação de produtos siderúrgicos da China.Segundo informação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que ainda não tem os dados por país até maio, as importações brasileiras de ferro e aço da China totalizaram US$ 175,9 milhões de janeiro a abril de 2009, contra US$ 114,4 milhões no mesmo período de 2008. No mesmo período, as importações gerais desses produtos somaram US$ 831,5 milhões, acima dos US$ 789,82 milhões que entraram no País entre janeiro e abril do ano passado. Por outro lado, as exportações brasileiras caíram drasticamente: passaram de US$ 3,52 bilhões no primeiro quadrimestre do ano passado para US$ 1,99 bilhão no mesmo período de 2009. Oito tipos de aço estavam na lista de exceção à Tarifa Externa Comum (TEC - alíquota praticada pelo Mercosul), com alíquota zero. Agora, apenas os vergalhões de aço continuam com alíquota zero. O governo não explicou por que apenas esse tipo de produto permaneceu sem ter a importação taxada. Em 2005, por pressão da indústria consumidora de aço, principalmente automotiva, o governo isentou de imposto a importação de 15 produtos siderúrgicos. A intenção era conter os preços e evitar impacto na inflação. Na época, a economia estava aquecida e a produção interna de aço não conseguia atender a demanda.Desde então, o ministério vem fazendo monitoramento do preço do aço e, a partir de 2006, alguns tipos do produto já haviam sido excluídos da lista dos que tinham alíquota zero de imposto. Agora, com a recessão nas principais economias do mundo, inclusive no Brasil, a situação se inverteu e passou a ser desfavorável para as siderúrgicas. O ministério não informou se outros setores também pleiteiam aumento de proteção tarifária contra importações. O Brasil pode manter até 93 produtos na lista da TEC, mecanismo pelo qual pode praticar tarifas de importação para terceiros países diferentes da usada pelo Mercosul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.