Governo tem superávit primário de R$ 9,9 bi em outubro, 3º maior do ano

No acumulado de janeiro a outubro, economia do governo para pagar juros é de R$ 64,711 bilhões

Renata Veríssimo e Adriana Fernandes, da Agência Estado,

29 de novembro de 2012 | 14h40

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou um superávit primário de R$ 9,914 bilhões em outubro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Fazenda. O resultado foi o terceiro maior do ano, e só perde para o superávit primário de R$ 20,816 bilhões de janeiro e o de R$ 11,208 bilhões em abril.

O secretário do Tesouro, Arno Augustin, já havia antecipado que o resultado de outubro seria muito bom, mas a expectativa era que atingisse um valor superior ao verificado. Os dados do Tesouro mostram que o superávit de outubro apresentou um crescimento de 669,6% em relação ao resultado de setembro.

O Tesouro fez um superávit de R$ 12,798 bilhões, enquanto a Previdência Social teve déficit de R$ 2,818 bilhões em outubro. O Banco Central também teve déficit no mês passado, de R$ 65,3 milhões.

No acumulado de janeiro a outubro, o superávit primário do governo central é de R$ 64,711 bilhões, resultado 25,4% menor que o registrado no mesmo período de 2011. O superávit nos dez primeiros meses do ano corresponde a 1,77% do PIB, enquanto no ano passado o saldo do período equivalia a 2,54% do PIB.

No ano, o Tesouro acumula superávit de R$ 107,347 bilhões. A Previdência Social acumula déficit de R$ 42,016 bilhões e o Banco Central também tem resultado negativo, de R$ 619,6 milhões.

Despesas

As despesas do governo central apresentaram, de janeiro a outubro, um crescimento quase duas vezes maior do que a expansão das receitas. Segundo os dados divulgados pelo Tesouro Nacional, enquanto as despesas totais subiram 12,1% no período, as receitas totais acumulam avanço de 6,7% em relação aos primeiros dez meses de 2011. As receitas totais atingiram R$ 864,348 bilhões e as despesas, R$ 656,623 bilhões.

Ainda de acordo com o Tesouro, os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somaram R$ 26,6 bilhões, de janeiro a outubro deste ano. Esse valor representa um crescimento de 27,7% em relação aos investimentos no mesmo período do ano passado.

O governo já anunciou a intenção de utilizar o abatimento dos gastos com o PAC para cumprir a meta fiscal deste ano. Os investimentos globais do governo federal somaram R$ 50,9 bilhões, de janeiro a outubro, alta de 22,9% em relação aos dez primeiros meses de 2011. O programa Minha Casa Minha Vida totalizou R$ 11,2 bilhões este ano, ante R$ 5,8 bilhões no mesmo período de 2011...

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.