Governo tenta convencer S&P de que ajuste dará resultado

Missão da agência voltou a se reunir ontem com autoridades em Brasília para colher informações sobre a situação do País

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2015 | 02h02

O governo brasileiro apostou todas suas fichas nas ações econômicas tomadas recentemente para tentar convencer a equipe da agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) de que entregará resultados positivos em um futuro próximo e que eventuais efeitos negativos dessas medidas são temporários. Uma missão da agência esteve nos últimos dias em Brasília reunida com autoridades das áreas econômica e política para colher informações sobre a situação do País.

"Eles entenderam que o que estamos fazendo agora é um trabalho de transição para uma plataforma de crescimento no futuro", relatou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, uma fonte que participou das reuniões. O governo deixou claro para a missão da S&P onde pretende chegar, mas admitiu haver alguns obstáculos no momento e que, por isso, decidiu concentrar nas ações de agora.

Energia. Entre as dúvidas levantadas pelos cinco integrantes da Standard & Poor's estava a questão energética. Eles se reuniram ontem com o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. O grupo, comandado pela norte-americana Lisa Schineller, chefe da S&P para a América Latina, concentrou suas questões no risco de apagão.

A questão da segurança energética dominou a conversa de cerca de uma hora com Braga, que reproduziu a apresentação feita por ele ontem no plenário da Câmara dos Deputados, quando recomendou aos brasileiros "não deixar a geladeira aberta" para evitar desperdício.

Na reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a equipe quis saber sobre a situação da Petrobrás e perspectivas para o futuro da empresa. Mercadante, segundo fontes, explicou que o problema da estatal não é de produção de petróleo, que está batendo recordes, mas de aprovação do balanço. Mas ele assegurou que essa questão já está sendo equacionada.

Essas reuniões costumam ser o ponto de partida para as agências confirmarem ou revisarem o selo de qualidade de bom ou mau pagador de um país. O tema é caro ao governo, que teme sofrer rebaixamento da nota. "O encontro foi excelente", disse a fonte que participou de uma das reuniões.

Apesar de o encontro ter transcorrido sob um clima extremamente formal e não ter havido menções a possíveis downgrades ou upgrades (rebaixamentos ou elevações da classificação do Brasil), a avaliação deste participante é a de que a equipe da S&P entendeu bem o trabalho que está sendo feito pela atual equipe econômica.

O governo reforçou para a equipe da agência de classificação de risco as medidas que já foram adotadas, como o pacote fiscal para atingir a meta de superávit primário na proporção de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) e o atual ciclo de aperto monetário para tentar conter a alta inflação, entre outros.

A missão esteve reunida também com os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento), além do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Depois, a equipe da agência viajou para São Paulo, onde terá reuniões com empresários. / CÉLIA FROUFE, NIVALDO SOUZA E TÂNIA MONTEIRO

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.