André Dusek/Estadão Conteúdo
André Dusek/Estadão Conteúdo

Governo tenta desfazer mal-estar pelos cortes em programas sociais para subsidiar diesel

Secretário do Ministério do Planejamento, Gleisson Rubin, explicou que as despesas de R$ 3,382 bilhões canceladas já estavam contingenciadas

Adriana Fernandes e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

01 Junho 2018 | 13h50

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto procurou desfazer nesta sexta-feira, 1.º, o mal-estar  provocado pelo cancelamento de despesas que atingiram programas sociais para compensar os gastos com a bolsa caminhoneiro que subsidia o preço do diesel em R$ 0,46.

+Para bancar ‘bolsa caminhoneiro’, governo corta até gastos sociais

+Ministros dizem que governo vai fiscalizar para garantir redução de R$ 0,46 do diesel

Convocado às pressas pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para participar de uma coletiva no Palácio, o secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Gleisson Rubin, explicou que as despesas canceladas, no valor de R$ 3,382 bilhões, já estavam contingenciadas e, portanto, não disponíveis para os ministérios.

Padilha  pediu, inclusive, que o secretário explicasse o "bê-á-bá" do termo técnico para a expressão "contingenciamento" utilizada no Orçamento - significa bloqueio (congelamento) de um grupo de gastos.

O secretário ponderou que não houve diminuição de recursos para os ministérios. Pelo contrário, segundo ele, o governo decidiu manter uma liberação adicional de despesas do Orçamento no valor de R$ 2 bilhões.  Desse total, R$ 500 milhões para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e R$ 400 milhões para o Ministério da Educação.

"Ministérios já não tinham dotação das despesas que foram canceladas para o diesel", disse. Segundo ele, havendo alta da arrecadação, o governo vai fazer uma nova liberação.

+ Eunício Oliveira comemora e Rodrigo Maia lamenta demissão de Parente da Petrobrás

Padilha  procurou reforçar que com como contingenciamento, as despesas ficam "guardadas" e, num primeiro momento, não podem ser gastas. "Agora, apareceu necessidade extra e essa parte que estava guardada foi para a necessidade extra", disse. "Era algo que não poderia ser gasto e agora tem essa grande emergência nacional", afirmou o ministro da Casa  Civil.  

Mais conteúdo sobre:
caminhoneiro óleo diesel greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.