ANDRÉDUSEK/ESTADÃO
ANDRÉDUSEK/ESTADÃO

Governo tenta se desvencilhar de protestos e Lava Jato com dado positivo de emprego

Um dia após manifestações contra reforma da Previdência, Planalto correu para divulgar criação de vagas em fevereiro; última coletiva sobre mercado de trabalho formal ocorreu ainda no governo Dilma

Fernando Nakagawa, Anne Warth, André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2017 | 20h18

BRASÍLIA - Um dia após milhares de brasileiros saírem às ruas para protestar contra a reforma da Previdência e enquanto o governo tenta se desvencilhar das citações na Operação Lava Jato, o Planalto correu para divulgar a retomada da criação de empregos formais em fevereiro. Em uma cerimônia inédita, a boa notícia foi anunciada pelo próprio presidente Michel Temer.

"Venho dar aqui, penso eu, boas novas. Vocês sabem que a economia brasileira volta a crescer e os sinais desse fato são cada dia mais claros", disse o presidente da República antes de anunciar, em tom de comemoração, a criação de 35.612 postos de trabalho no mês passado - o primeiro resultado positivo após 22 meses seguidos de aumento do desemprego. Apesar da festa, a reação ainda é bem pequena em termos proporcionais e a criação de emprego no mês passado ajudará apenas 0,2% do total de desempregados.

 

 

Pela primeira vez desde que assumiu o governo, Temer convocou jornalistas para anunciar resultados de emprego com carteira assinada no Brasil. Os dados do Caged vinham sendo divulgados somente pela internet. Quando havia alguma coletiva, quem participava era o ministro do Trabalho, fato que ocorreu pela última vez no governo Dilma, com o então ministro Manoel Dias.

O esforço em espalhar a boa notícia também é visível no calendário de divulgação. O dado sobre o mercado de trabalho relativo ao mês de janeiro foi conhecido apenas em 3 de março - há menos de duas semanas. No Ministério do Trabalho, técnicos trabalhavam com a expectativa de que os números de fevereiro seriam divulgados na próxima semana, apenas a partir de 20 de março. O anúncio, porém, foi antecipado por um pedido de última hora.

Ao lado do presidente Temer, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, comemorou a notícia e, apesar de o dado voltar ao positivo em apenas um dos últimos 23 meses, disse que o número revela "retomada, uma inversão da curva". "Estamos convictos de que, a partir de agora, vamos sempre ter dados positivos para apresentar", disse.

Nogueira rejeitou a avaliação de que ainda é cedo para falar em mudança de tendência. "Quem aposta que o Brasil não vai dar certo vai errar. Não é sempre que os analistas acertam", afirmou. "Nós observamos uma desaceleração no número de desempregados no País. Isso vem ocorrendo nos últimos meses."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.