Governo tentará derrubar embargo russo à carne brasileira

A suspeita de novos focos de febre aftosa no Mato Grosso do Sul não atrapalha os planos do governo e da iniciativa privada de pedir a reabertura do mercado russo para a carne fornecida pelo Brasil. "Com exceção do Mato Grosso do Sul e do Paraná, os demais Estados podem receber autorização para voltar a vender para a Rússia", afirmou nesta terça-feira o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Gabriel Alves Maciel. Em relação a esses dois Estados, Maciel disse que "não existe a menor perspectiva de reabertura neste momento porque os trabalhos sanitários não foram concluídos".Dois veterinários russos estão no Brasil desde o começo de agosto para vistoriar laboratórios, serviços de defesa sanitária e as regiões do Mato Grosso do Sul e do Paraná onde foram diagnosticados focos de febre aftosa a partir de outubro do ano passado. Só no Mato Grosso do Sul foram confirmados 33 casos da doença. Em resposta ao problema sanitário, o governo russo barrou as importações de carnes e subprodutos de oito estados brasileiros.Os Estados que não podem vender animais vivos, carne suína, bovina, produtos e subprodutos de carne crua de suínos e bovinos para a Rússia são Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina. Em abril, o Rio Grande do Sul recebeu autorização para retomar as vendas para Moscou. Atualmente, além do Rio Grande do Sul apenas Tocantins e Rondônia estão habilitados a vender carnes para a Rússia.Reunião final Maciel contou que os veterinários russos e técnicos da Secretaria de Defesa Agropecuária terão uma reunião final na segunda-feira (14) na sede do Centro Panamericano de Febre Aftosa (Panaftosa), no Rio de Janeiro. Hoje, a missão realiza o segundo dia de visitas à chamada "zona de risco" do Mato Grosso do Sul, que inclui parte dos municípios de Japorã, Eldorado e Mundo Novo. Os focos de aftosa foram diagnosticados nessas regiões.Na última segunda-feira, o ministério confirmou que um primeiro exame para identificação da febre aftosa realizado em bovinos do Mato Grosso do Sul mostrou o resultado "reagente" para a doença. Os animais são de fazendas localizadas na área de risco para a doença, o que, na avaliação de técnicos da secretária, é "normal". Uma segunda coleta foi feita no dia 3 de agosto e o material está sendo analisado no Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) de Porto Alegre. Os resultados dessa análise devem ser conhecidos na sexta-feira (11).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.