finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo terá de adotar medidas de compensação

Associação de auditores fiscais diz que LRF já está sendo desrespeitada e quer barrar na Justiça os parcelamentos de dívidas tributárias já feitos

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O Tribunal de Contas da União (TCU) deu prazo de 15 dias para que os ministérios da Fazenda e do Planejamento, a Casa Civil e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional se manifestem sobre os riscos que a derrubada dos vetos aos programas de parcelamento de dívidas tributárias de produtores rurais e de empresas do Simples Nacional trazem para as contas públicas. 

O ministro do TCU, Vital do Rêgo, quer mais informações sobre como os programas afetam o cumprimento da “regra de ouro” do Orçamento, que impede a emissão de dívidas para pagar despesas correntes. O governo tem um rombo de R$ 181,9 bilhões para cobrir neste ano e abrir mão de receitas agrava a necessidade de financiamento e, consequentemente, as condições de cumprimento da regra.

Após ouvir os órgãos envolvidos, o TCU deve indicar como o governo deverá proceder em relação aos parcelamentos. A cobrança maior é para que o governo adote com urgência medidas de compensação, para não violar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O TCU estabelece desde 2010 que os únicos meios de compensação são corte de subsídios, aumento de tributos ou elevação de base de cálculo de impostos.

Diante de tal exigência, a expectativa na área econômica é conseguir barrar os benefícios, uma vez que “é difícil achar compensação” no Orçamento já estrangulado de 2018, segundo uma fonte. A Procuradoria-Geral da República (PGR) também recebeu comunicação do TCU.

Compensação. Paralelamente ao TCU, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco) intensificou a pressão contra a falta de compensação das receitas com o Refis e quer barrar na Justiça os parcelamentos já feitos.

A Unafisco já pediu informações à Receita com base na Lei de Acesso à Informação cobrando as perdas previstas. Para o diretor técnico da associação, Mauro Silva, a LRF tem sido desrespeitada porque ela exige a compensação da perda de arrecadação com o aumento de alíquotas de outros impostos ou a criação de novo tributo, o que não tem acontecido.

Procurada, a Casa Civil disse que o governo ainda “está analisando o ofício do TCU”. O Ministério da Fazenda não respondeu até a noite de sexta-feira e o Planejamento informou que não vai se manifestar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.