Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Governo terá vitória expressiva em votação da PEC do Teto, diz Geddel

Ministro da Secretaria de Governo participou de jantar com deputados da base aliada e afirmou estar convicto sobre a aprovação do texto que propõe limitar o gasto público à inflação

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2016 | 00h56

BRASÍLIA - Após participar de um jantar com deputados da base aliada, o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) afirmou que tem convicção de que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que estabelece um teto para os gastos públicos, vai ser aprovada na próxima semana.

"Nós vamos votar a PEC 241 e ter uma vitória expressiva em relação a isso", disse.

Segundo ele, o jantar teve como objetivo esclarecer que não haverá redução nos investimentos para saúde e educação, ponto considerado central pelos deputados. "Nós mostramos que em nenhuma situação teremos decréscimo de investimentos para essas áreas, nem na saúde nem na educação", afirmou.

O ministro disse ainda que o resultado da eleição municipal, que configurou numa derrota para o PT, mostrou que população está a favor da PEC, porque quer um governo que pratique a austeridade fiscal. "Esse resultado das eleições demonstrou que o povo rejeitou o discurso do golpe, da raiva, e mostrou que quer gestão e solução dos problemas. A sociedade brasileira quer, com muita nitidez, a propostas que indiquem austeridade fiscal, governo que não gaste mais do que arrecade, que combata a inflação."

Para Geddel, a alternativa à proposta é ou aumento dos impostos ou a falência das finanças públicas. "Esse tema é de fundamental importância para o País. Volto a insistir, a alternativa à PEC é aumento dos gastos, é chegar a um momento em que a dívida pública vai tomar conta do PIB, e o País vai quebrar".

Jantar. O encontro realizado nesta segunda na residência oficial da presidência da Câmara faz parte de uma maratona de reuniões prevista para o governo para esclarecer pontos da PEC e conquistar o apoio necessário para aprová-la na Casa. 

Durante o jantar, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, respondeu a perguntas dos parlamentares. Além de Meirelles e Geddel, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Dyogo Oliveira (Planejamento) também participaram do encontro. Segundo a assessoria de imprensa da presidência da Câmara, cerca de 50 deputados vieram à reunião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.