finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Governo tirou País do caminho da moratória, diz Mantega

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, afirmou hoje que o seu governo, com a política macroeconômica adotada, tirou o País da possibilidade de entrar na moratória com a sua dívida. Ao responder ao deputado Carlito Mers (PT-SC), sobre quais teriam sido as conseqüências para o Brasil caso as medidas não tivessem sido adotadas pelo governo, Mantega disse que a crise econômica talvez levasse o País à argentinização como, haviam previsto alguns analistas internacionais. "Tiramos o País da moratória e de uma crise econômica que talvez nos levasse a uma crise política". Mantega afirmou que com as medidas adotadas pelo governo o País está reconstituindo o seu crédito internacional e já há uma queda na taxa Selic de 6,6 pontos porcentuais. "Estamos prontos para crescer e o Brasil vai fazer o ajuste com o mínimo de desgaste assegurando inclusive um PIB positivo". Mantega afirmou que o País está saindo da crise em condições melhores do que outros países o fizeram. Lembrou o caso da Coréia, que em 1998 teve uma queda no PIB de 6%, e do México, que em 1994 teve uma queda de 4% do PIB. "Vários analistas ficaram surpresos com os resultados que estamos obtendo", afirmou.Salário minimoO ministro do Planejamento disse também que o valor do ajuste do salário mínino para 2004 só será definido em abril, "depois que for verificada a dinâmica das receitas". Segundo ele, para tomar esta decisão deverá ser avaliado o crescimento vegetativo da Previdência e o controle da inflação. "Se houver um aumento vegetativo abaixo de 4% e uma inflação menor, poderemos dar um aumento do salário mínimo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.